WHAT'S NEW?
Loading...

Petrobras obtém liminar contra greve de petroleiros

Resultado de imagem para Petrobras obtém liminar contra greve de petroleiros

A Petrobras obteve neste sábado (23) uma liminar contra a greve dos petroleiros, agendada para a próxima segunda-feira (25), em protesto contra demissão e transferência de trabalhadores. A liminar fixa multa de R$ 2 milhões casos os sindicatos paralisem as atividades. A greve de cinco dias foi anunciada por sindicatos ligados à FUP (Federação Única dos Petroleiros), que acusa a estatal de descumprir cláusulas de acordo trabalhista assinado no início do mês, após mediação do TST (Tribunal Superior do Trabalho).

Na liminar, o ministro do Tribunal Superior do Trabalh (TST), Ives Gandra Martins, diz que é abusiva a greve deflagrada após acordo coletivo de trabalho e que as cláusulas citadas pela Federação Única dos Petroleiros (FUP) “são de caráter programático, sem prazo estabelecido para implementação”.

“Ou seja, não há prova nem tempo para o descumprimento da norma coletiva em vigor que justifique a deflagração da greve”, escreveu.

A FUP argumenta que a empresa vem implantando planos de demissão incentivada e de transferência de empregados entre suas unidades sem discussão com representantes dos trabalhadores, conforme prevê cláusula do acordo de trabalho. Alega também que o uso de indicadores de segurança como critério para pagamento de bônus também fere o acordo. A greve foi aprovada por 12 dos 13 sindicatos ligados à entidade em assembleias nas últimas semanas.

A mobilização tem como pano de fundo o projeto de privatização das refinarias da Petrobras, que, segundo estudo do Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Econômicos), impactará 4.895 empregados lotados nessas unidades.

A estatal colocou à venda 8 de suas 13 refinarias, mantendo apenas as unidades em São Paulo e no Rio, em processo que enfrenta grande resistência dos sindicatos. A empresa argumenta que precisa de recursos para reduzir dívidas e focar suas operações no pré-sal.

O acordo coletivo de trabalho foi assinado no dia 4 de novembro, após meses de impasse que culminaram com mediação do TST – processo que chegou a ser acompanhado de perto pelo GSI (Gabinete de Segurança Institucional) diante do risco de greve.

Ao deferir a liminar, segundo o TST, o ministro Ives Gandra Martins considerou ainda “a essencialidade dos serviços de produção e distribuição de combustíveis”.