WHAT'S NEW?
Loading...

VLI já movimentou 16% mais cargas no Norte em 2019

Resultado de imagem para VLI ferrovia carga norte


A VLI, companhia de soluções logísticas que integra terminais, ferrovias e portos, já movimentou até agosto deste ano 16% mais do que o volume registrado no mesmo período de 2018 no trecho ferroviário entre Açailândia (MA) e Porto Nacional (TO). Com destino aos terminais localizados no Porto de Itaqui, no litoral do Maranhão, a ferrovia contribui de maneira mais eficiente para o transporte de cargas de soja, milho e farelo oriundas do leste e nordeste do Mato Grosso, sul do Pará e da nova fronteira agrícola, o Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia). Além disso, o trecho também recebeu cargas de celulose e combustíveis.

Os mais de 700 quilômetros entre Porto Nacional (TO) e Açailândia (MA) conectam-se à Estrada de Ferro Carajás formando uma importante conexão entre as áreas produtoras e o mercado externo. Ligados aos trilhos, a VLI dispõe de terminais integradores, que recebem cargas do modal rodoviário e transferem a carga para a ferrovia. Os terminais de Porto Nacional e Palmeirante têm capacidade de movimentar seis milhões de toneladas de grãos por ano. Em 2019, as unidades já receberam mais de quatro milhões de toneladas. “Nos últimos anos a VLI capacitou a ferrovia para dar suporte ao agronegócio na nova fronteira agrícola do Brasil. Construímos dois terminais em Tocantins, melhoramos a malha ferroviária, adquirimos locomotivas e vagões”, aponta Fabiano Rezende, gerente geral responsável pelas operações ferroviárias da VLI nos estados do Maranhão e Tocantins.

Os trilhos como saída 


A VLI acredita no desenvolvimento do leste e nordeste do Mato Grosso, do sul do Pará, do Matopiba e na consolidação da rota que conecta os trilhos ao litoral maranhense para contribuir ainda mais com o agronegócio. “O sistema integrado é uma alternativa eficiente para que os produtores alcancem o mercado externo. Há um potencial e nossa infraestrutura está pronta para atender”, completa Rezende.