WHAT'S NEW?
Loading...

Solução modular reduziu em até 18 meses prazo de entrega de UTE

Resultado de imagem para Solução modular reduziu em até 18 meses prazo de entrega de UTE

Usina Termelétrica (UTE) Porto de Sergipe I, projeto da Celse — Centrais Elétricas de Sergipe, controlada pelo grupo brasileiro Ebrasil (50%) e a norueguesa Golar Power (50%), está em fase de comissionamento e entra em operação comercial em janeiro de 2020 – concluindo as obras iniciadas em agosto de 2017 com terraplenagem.

“O comissionamento da planta é dividido em duas fases: a frio e a quente (gás). O comissionamento a frio está praticamente concluído enquanto o comissionamento a quente deve começar no quarto trimestre de 2019, quando teremos o gás para executar os testes”, explica Luciano Silva, diretor do Projeto da UTE pela GE.

O empreendimento fica localizado em Barra dos Coqueiros, na Região Metropolitana de Aracaju (SE). Trata-se de usina térmica movida a gás natural em ciclo combinado. A capacidade de geração atinge cerca de 1.551 MW.

Ao adotar a solução de engenharia que modularizou os equipamentos da termelétrica, foi possível, segundo a GE, gerenciadora e montadora do empreendimento, reduzir o prazo de execução em até 18 meses.

Foram utilizados 103 módulos, sendo 33 módulos das caldeiras (HRSG), 25 do sistema de utilidades (BOP) e 45 do sistema interno das caldeiras (OCC).

Todos os principais equipamentos da térmica foram fabricados pela GE, sendo três turbinas a gás da classe 7HA, uma turbina a vapor, três caldeiras de recuperação de calor (HRSG), quatro geradores, quatro transformadores elevadores (este fabricados na fábrica de Canoas-RS) e os equipamentos para a subestação de 500kV.

UTE Porto de Sergipe


Os módulos foram transportados via marítima, desembarcados no Terminal Inácio Barbosa (TMIB), em Barra dos Coqueiros, e transportados até o canteiro de obras.

Resultado de imagem para UTE Porto de Sergipe

Devido a limites de capacidade de carga do TMIB, os quinze módulos mais pesados e os maiores precisaram ser levados de balsa para um píer temporário construído no Rio Pomonga, que corta o município onde está o empreendimento.

Foram utilizadas duas rotas para o transporte dos módulos até o canteiro de obras. A primeira rota compreendeu a construção de uma estrada interna para ligar o terminal marítimo à UTE Porto Sergipe I, com uma distância de aproximadamente 1,5 km, em que foram utilizados trailer (linha de eixo) e caminhões para transporte da maioria das peças.

A segunda rota consistiu no descarregamento dos quinze módulos mais pesados e maiores no TMIB e a seguir em uma balsa, que transportou os conjuntos pelo rio Rio Sergipe, que separa os dois municípios litorâneas Aracajú e Barra dos Coqueiros, até o píer do Pomonga. Do píer provisório, De lá, eram carregados em trailers (linhas de eixo guiadas) e levados para o site.

Transporte do desembarque marítimo ao canteiro de obras

“Quando comparado ao método convencional de construção, a modularização requer um esforço adicional significativo de planejamento e engenharia. Muitas variáveis precisam ser consideradas para sua correta execução”, conta Luciano.

Para o sucesso do plano audacioso de construir a maior usina termoelétrica da América do Sul, focou-se muito também no planejamento integrado das áreas de engenharia, suprimentos e logística e construção, segundo ele.

O contrato no modelo turnkey permitiu que a GE gerenciasse de forma integrada essas três áreas, disponibilizando sua estrutura global de projeto, manufatura, cultura em EHS (Environment, Health and Safety) e corpo técnico especializado.

O executivo relata que foi essencial no desenvolvimento do projeto antecipar a especificação de componentes e sistemas da planta; identificar todos os gargalos de infraestrutura no local da construção e logística para transporte das peças; produzir e revisar o modelo 3D em conjunto com os integradores dos módulos e realizar reuniões de construtibilidade com os times das subcontratadas, entre outros.

O maior módulo pesava 318 t, com 8,5 m de altura, 8,5 m de largura e 33 m de comprimento. Os 58 módulos principais (HRSG e BPO) somam cerca de 6 mil t.

“Quando os módulos chegavam ao destino, o foco ficava na coordenação com as autoridades de trânsito e infraestrutura de rodovias públicas para gestão do tráfego, em função do transporte das peças até o site, bem como a comunicação com as comunidades locais que residem e transitam ao longo da rodovia”, explica Luciano.

“No site, a instalação busca uma correta e segura execução do içamento até a posição final, bem como inspeções para validar a montagem”. O plano de rigging foi uma das principais atividades durante a montagem eletromecânica. Devido ao tamanho dos módulos e peso, tinha-se uma estrutura especial de acompanhamento para garantir que a execução fosse feita com segurança.

Foram necessários dois guindastes de 800 t e dois de 400 t modelo no site por sete meses. Além destes, em torno de vinte guindastes menores foram utilizados para as demais atividades de içamento.

A GE tem larga experiência em modularização de projetos no setor de energia, contudo na UTE Porto de Sergipe I, ela levou a modularização a um novo patamar, e aplicou o conceito em cerca de 70% da montagem da usina. Isso foi o fundamental para que nosso cliente pudesse agilizar a obtenção do financiamento do projeto.

Os fornecedores no empreendimento se concentraram nas áreas de obra civil, montagem eletromecânica, integração elétrica e comissionamento. Em novembro de 2018, chegou-se a ter cerca de 3.000 colaboradores trabalhando na obra.