WHAT'S NEW?
Loading...

Brasil vai receber um aporte de US$ 79 bilhões com o acordo Mercosul-UE

Resultado de imagem para Brasil acordo Mercosul-UE

A economia do Brasil pode ser impactada com US$ 79 bilhões até 2035 devido a um acordo comercial entre o Mercado Comum do Sul (Mercosul) e a União Europeia (UE), fechado no fim de junho. Governo decide retomar mineração de urânio para ampliar programa nuclear no país.

O parecer é da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que divulgou na última sexta-feira (11) na sede da entidade, no Rio de Janeiro, o estudo sobre a questão, durante a 2ª Conferência de Comércio Internacional e Serviços do Mercosul (CI19).

Considerando a redução de barreiras não tarifárias, o impacto pode chegar a US$ 112 bilhões no período, segundo a CNC. Os números estão um pouco abaixo dos divulgados pelo governo do Brasil, de US$ 87,5 bilhões e US$ 125 bilhões incluindo as barreiras não tarifárias em 15 anos.

O Brasil ocupa no momento a presidência pro tempore (temporariamente) do Conselho de Câmaras de Comércio do Mercosul (CCCM), por conseguinte, lidera os debates sobre a aliança, explicou o presidente da CNC, José Roberto Tadros.

Roberto Tadros disse, “Mercado exterior é comércio, então nós estamos inseridos neste contexto. Não só na relação de trocas como também no que diz respeito a turismo, serviços, então esta é a casa para tratar desses assuntos e das relações internacionais”.

Um dos responsáveis pelo estudo, o economista da CNC Fábio Bentes, esclarece que o valor foi calculado somando-se o saldo da balança comercial, estimado em US$ 66 bilhões, com o investimento agregado, de US$ 13 bilhões, mais US$ 33 bilhões pela redução de barreiras como as fitossanitárias, para chegar aos US$ 112 bilhões.

“A gente considerou o crescimento do Brasil esperado para os próximos anos, na casa de 2%, 2,5%, e o crescimento da Europa, que é um pouco menor, de 1,2%, mas dado o tamanho da economia do continente, isso também ajuda a potencializar o impacto positivo do acordo. Outra premissa é a taxa de câmbio, entre R$ 3,80 e R$ 4 até 2024, segundo o Boletim Focus, do Banco Central, e depois reajustado pela inflação”, argumentou.

Para ele, o acordo é histórico e vai beneficiar exportadores, importadores e consumidores. “Do ponto de vista das nossas exportações a tendência é beneficiar o setor agroexportador. O Brasil é o segundo maior exportador de produtos agropecuários para a Europa e vai passar os Estados Unidos em questão de dois ou três anos.

Curso Operador de Produção FPSO, Aumente Suas Chances no Setor Offshore
Do ponto de vista das importações, nós, do comércio e serviços, se a gente tem acesso a produtos de qualidade sem barreiras tarifárias elevadas, vai importar mercadorias ou serviços a um preço menor e a população vai ter preços mais competitivos” explicou o economista.

Os 32 países que compõem os dois blocos precisam autenticar o acordo Mercosul-UE para começar a valer. As relações começaram em 1999.