WHAT'S NEW?
Loading...

Indústria brasileira do aço prevê investimentos de US$ 9 bilhões até 2023

Resultado de imagem para Indústria brasileira do aço prevê investimentos de US$ 9 bilhões até 2023

Mantendo-se no positivo o segmento segue com expectativa do aumento das vendas internas de aço em 2,5%, totalizando volume de 19,4 milhões de toneladas. Produção com um pequeno aumento de 0,4%, totalizando 35,6 Mt. As exportaç~eos devem cair cerca de 7,3%, mas o consumo aparente de aço deve subir 2,1% em 2019. O aguardo é por reformas e ajustes fiscais, medidas pontuais que melhorem as condições de compedtitividade da indústria de transformação. Mas o setor continua confiante e prevê investimentos para os próximos cinco anos.

A paralisia dos mercados e da economia como um todo afetou o desempenho da indústria brasileira do aço no primeiro semestre de 2019. A retomada do crescimento da economia, esperada por todos, não ocorreu, assim foi o tom da coletiva de imprensa com os jornalistas no dia 25 de julho(quinta-feira), pelo Instituto do Aço Brasil (IABr). Dados mostram a produção brasileira do aço fem 17,2 Mt, (- 1,4%), em relação ao mesmo período de 2018, enquanto as vendas internas tiveram um aumento de 1,3% atingindo 9,2 milhões de toneladas de aço nesse período. O consumo aparente atingiu 10,4 Mt (+ 0,2%). Já as exportações somaram 6,7 Mt (- 2,4%) e as importações ficaram praticamente estáveis, totalizando 1,3 Mt (- 0,6%). Diante do fraco desempenho do 1º semestre, o Aço Brasil revisou suas expectativas para o ano de 2019.

Previsões para 2019 — As previsões do Instituto Aço Brasil (IABr) para indústria brasileira do aço em 2019 são de aumento das vendas internas de aço em 2,5%, totalizando volume de 19,4 milhões de toneladas. A produção de aço deve manter-se estável, com pequeno aumento de 0,4%, totalizando 35,6 Mt. As exportações devem cair 7,3% este ano na comparação com 2018, face às condições adversas do mercado internacional e a perda de competitividade das empresas devido, principalmente, à cumulatividade dos impostos na exportação. O consumo aparente de aço deve subir 2,1% em 2019.