WHAT'S NEW?
Loading...

Vale prevê produção de 230 milhões de toneladas em 2019

Resultado de imagem para Vale produção de 230 Mtpa no 2S19

O avanço da mina S11D , Sistema Norte atingiu um ritmo de produção de 215 milhões de toneladas por ano em junho. A expectativa é de produção de entre 18,5 milhões e 19 milhões de toneladas por mês no segundo semestre de 2019, atingindo produção de 230 milhões de toneladas por ano, portanto, acima do total anterior.

 A produção de finos de minério de ferro da Vale S.A. (“Vale”) apresentou melhoria substancial no fim do segundo semestre de 2019 com o aumento de embarques no Sistema Norte e a retomada das operações de Brucutu. O efeito combinado dos dois eventos será consideravelmente percebido no segundo semestre de 2019, divulgou a mineradora brasileira no dia 22 de julho (segunda-feira).

A produção de finos de minério de ferro totalizou 64,1 Mt no segundo trimestre de 2019, ficando 12,1% e 33,8% menor do que no primeiro triumestrewde 2019 e segundo trimestre de 2018, respectivamente, principalmente em função dos impactos decorrentes da ruptura da barragem de Brumadinho e de condições climáticas incomuns no Sistema Norte em abril e no início de maio.

Expectativas para o 2019 


Como resultado do sucesso do ramp-up do S11D, o Sistema Norte atingiu um ritmo de produção de 215 Mtpa em junho e espera produzir entre 18,5 Mt e 19,0 Mt por mês no segundo semestre de 2019 atingindo um ritmo de produção de 230 Mtpa.

A produção de pelotas da Vale totalizou 9,1 Mt, ficando 25,5% e 29,3% menor do que no primeiro trimestre de 2019 e no segundo trimestre de 2018 respectivamente, devido principalmente à parada total das plantas de pelotização do Sistema Sul durante o trimestre, às fortes chuvas no Sistema Norte e Sudeste, bem como à manutenção nas proximidades das plantas de Tubarão.

— A Vale realizou um progresso substancial em relação às 93 Mtpa de produção interrompidas no primeiro trimestre de 2019, com a retomada das operações de Brucutu em 22 de junho, recuperando 30 Mtpa de capacidade de produção. Em relação aos 60 Mtpa ainda interrompidos, a Vale espera a retomada gradual dos 30 Mtpa de produção a seco a partir do final deste ano, bem como o retorno no período de dois a três anos dos 30 Mtpa restantes, incluindo neste caso o processamento a úmido— destacou a mineradora.

O volume de vendas de finos e pelotas de minério de ferro atingiu 70,8Mt no segundo trimestre de 2019, ficando 4,5% acima do primeiro trimestre de 2019 e 18,2% abaixo do segundo trimestre de 2018. Apesar do volume de produção menor trimestre contra trimestre, o volume de vendas aumentou 3,2 Mt devido ao consumo de estoques offshore.

— Como resultado da retomada da mina de Brucutu, a Vale reafirma seu guidance de vendas de minério de ferro e pelotas para 2019 de 307-332 Mt, como previamente anunciado, e informa que a expectativa atual é de que as vendas fiquem próximas ao centro da faixa— diz.

— Em decorrência do acidente de Brumadinho, ocorreu escassez de produto a ser embarcado nos Sistemas Sudeste e Sul, e, consequentemente, uma parcela dos navios programados foram redirecionados para o Terminal de Ponta da Madeira no Sistema Norte. No entanto, devido às fortes chuvas em março, abril e início de maio, a produtividade do porto e os embarques foram impactados. Consequentemente, a fila de navios no Terminal de Ponta da Madeira aumentou substancialmente, impactando os custos de demurrage e, com isso, o custo caixa C1. A estadia de navios no porto de São Luís aumentou de seis dias em janeiro para um nível de pico de 32 dias em maio. A situação já está sendo normalizada com a estimativa de estadia de navios de sete dias em julho— frisou a Vale.

A participação de produtos premium no total de vendas aumentou para 86% no segundo trimestre de 2019. Os prêmios de qualidade de minério de ferro e pelotas alcançaram US$ 13,2/t4 no segundo trimestre de 2019 contra US$ 10,7 no sprimeiro trimestre de 2019, devido principalmente, a uma maior contribuição do negócio de pelotas.

As vendas de níquel foram de 57.500 t no segundo trimestre de 2019, ficando 14,3% acima do primeirotrimestre de 2019 devido à utilização dos estoques regionais, o que compensou parcialmente a menor produção de níquel refinado que caiu em relação ao primeiro trimestre de 2019. No trimestre, a produção de Sudbury obteve excelente desempenho operacional nas atividades de mineração, moagem e smelting, com a produção de cobre dessas minas alcançando 24,4 kt, o maior volume para um segundo trimestre desde 2016. Por sua vez, a produção de níquel refinado foi impactada por atividades de manutenção programadas e não programadas nas refinarias do Atlântico Norte. Essas manutenções já foram concluídas e a produção foi retomada nessas refinarias, que atualmente operam em ritmo normalizado.

A produção de cobre atingiu 98.300 t no 2T19, ficando 4,8% acima do 1T19 e em linha com o 2T18. A produção aumentou, principalmente, devido aos maiores teores na operação de Salobo e ao forte desempenho em Sudbury. 

Minério de Ferro 


Desempenho geral — A produção de finos de minério de ferro no segundo trimestre de 2019 foi de 64,1 Mt, ficando 12,1% e 33,8% menor do que no primeiro trimestrwe de 2019 e no segundo trimestre de 2018, respectivamente, principalmente em função dos impactos decorrentes da ruptura da barragem de Brumadinho e de condições climáticas incomuns no Sistema Norte em abril e início de maio.

As operações de Brucutu foram retomadas em 22 de junho de 2019, após decisão do presidente do Superior Tribunal de Justiça, que deferiu o pedido apresentado pelo município de São Gonçalo do Rio Abaixo, suspendendo os efeitos da decisão proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais e adicionando de volta 30 Mtpa de capacidade de produção. No segundo trimestre de 2019, o teor de Fe do portfólio de produtos da Vale alcançou 64,8%; o de alumina, 1,2%; e o de sílica, 3,1%.

Sistema Norte — O Sistema Norte, composto por Carajás e S11D, produziu 41,6 Mt no segundo trimestre de 2019, ficando 0,6 Mtacima do sprimeiro trimestre de 2019 e 4,6 Mt abaixo do segundo trimestre de 2018, devido principalmente às chuvas atípicas em abril e maio (precipitação média de 463 mm no segundo trimestre de 2019 contra 275 mm no segundo trimestre de 2018.

Sistema Sudeste — O Sistema Sudeste, que engloba os complexos de mineração de Itabira, Minas Centrais e Mariana, produziu 15,9 Mt no segundo trimestre de 2019, 3,7 Mt e 11,8 Mt abaixo do primeiro trimestre de 2019 e segundo trimestre de 2019 respectivamente, devido principalmente à parada de Timbopeba e Alegria por 91 dias durante o segundo trimestre de 2019, enquanto no primeiro trimestre de 2019 foi de apenas 16 dias.

Sistema Sul — O Sistema Sul, que engloba os complexos de mineração de Paraopeba, Vargem Grande e Minas Itabirito, produziu 6,2 Mt no segundo trimestre de 2019, ficando 5,6 Mt e 16,1 Mt abaixo do primeiro trimestre de 2019e do segundo trimestre de 2018, devido principalmente às paradas dos complexos de Vargem Grande e de Fábrica por 91 dias durante o 2T19 contra 39 dias durante o primeirotrimestre de 2019.

Sistema Centro-Oeste — O Sistema Centro-Oeste produziu 0,5 Mt no segundo trimestre de 2019, ficando em linha com o primeiro trimestre de 2019 e com o sprimeiro trimestre de 2018.

Pelotas 

Desempenho geral 


 A produção de pelotas da Vale foi de 9,1 Mt, ficando 25,5% e 29,3% menor do que no primeiro trimestre de 2019 e no segundo trimestre de 2018, respectivamente, principalmente devido à parada total das plantas de pelotização do Sistema Sul durante o trimestre, às fortes chuvas no Sistema Norte e Sudeste, bem como à manutenção nas proximidades das plantas de Tubarão.

Como resultado da parada mencionada acima (10 Mt de impacto, equivalente a 11 Mtpa) e devido à manutenção (5 Mt de impacto), a Vale revisou seu guidance de produção de pelotas de 60 Mt, conforme anunciado no Vale Day, para 45 Mt em 2019.

Sistema Norte 


 A produção na planta de pelotas de São Luís foi de 0,5 Mt no segundo trimestre de 2019, ficando 0,7 Mt menor do que no primeiro trimestre de 2019, como resultado de chuvas anormais no Sistema Norte.

Sistema Sudeste


 A produção nas plantas de pelotização de Tubarão 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8 foi de 6,1 Mt no segundo trimestre de 2019,primeiro trimestre de 2019 e do segundo trimestre de 2018, respectivamente, como resultado das manutenções nas plantas 1, 2, 3, e 4, da parada a frio da usina 1, bem como das chuvas anormais em maio.

Sistema Sul 


A produção da planta de pelotas de Fábrica e de Vargem Grande foi interrompida em 20 de fevereiro de 2019, seguindo determinação da ANM.

Omã


 A produção de pelotas de Omã foi de 2,5 Mt no segundo trimestre de 2019, ficando 0,5 Mt e 0,4 Mt maior do que no primeiro trimestre de 2019 e no segundo trimestre de 2018, respectivamente, devido à maior produtividade e às manutenções programadas que aconteceram em trimestres anteriores.