WHAT'S NEW?
Loading...

Karoon planeja novos investimentos no Brasil após comprar campo da Petrobras

Resultado de imagem para Karoon planeja novos investimentos no Brasil após comprar campo da Petrobras

Após vencer licitação da Petrobras e levar o campo de Baúna, a australiana Karoon planeja novos investimentos no Brasil para incrementar a produção de petróleo e trabalhar para a sinergia da nova área com outros ativos próximos, disse o diretor-geral da empresa para América do Sul à Reuters.

A operação da compra de Baúna, localizado em águas rasas da Bacia de Santos, foi anunciada na noite de quarta-feira, por 665 milhões de dólares.

Tim Hosking afirmou em uma entrevista por telefone que a expectativa é de que o negócio seja totalmente concluído e a empresa se torne operadora do campo, com 100% de participação, em até dez meses a partir de agora.

“Essa compra de Baúna é um grande passo para o nosso crescimento no Brasil”, comemorou o executivo.

“Assim que nos tornarmos operadores, nós planejamos intervenções em poços e também desenvolver a descoberta de Patola, na área, para crescer a produção para 33 mil barris de petróleo por dia em 2022.”

Baúna, que iniciou a produção em 2013, produz atualmente cerca de 20 mil barris de petróleo por dia, segundo dados da Petrobras.

Para a aquisição, a Karoon usará 228 milhões de dólares em recursos próprios e tem um crédito aprovado de até 250 milhões de dólares com a ING. Alguns ajustes no valor total a ser pago podem ocorrer até o fechamento da operação, e a empresa também poderá levantar capital com acionistas existentes ou novos investidores.

O campo de Baúna é composto por dois reservatórios produtores de petróleo, Baúna e Piracaba, ambos ligados à unidade flutuante de produção, armazenamento e descarregamento (FPSO) Cidade de Itajaí, e a descoberta de Patola, feita em 2011.

Segundo Hosking, a aquisição irá fornecer ainda sinergias operacionais e logísticas relevantes para o potencial desenvolvimento dos seus ativos Neon e Goiá.

PRÓXIMOS PASSOS
A empresa planeja entregar até agosto o Plano de Desenvolvimento para a área de Neon à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), disse Hosking.

As reservas de Neon serão acessadas por dois poços horizontais produtores de óleo e um poço de injeção de gás, que deverão produzir entre 25 mil e 28 mil barris diários a partir de 2023, explicou o executivo.

Ao todo, a Karoon tem reservas contingentes estimadas em 82 milhões de barris de petróleo, sendo 52 milhões em Neon e 23 milhões em Goiá.

A empresa possui ainda um terceiro contrato de exploração ao sul Bacia de Santos, em águas de Santa Catarina, cujo bloco foi arrematado pela empresa em leilão da ANP em 2017. O ativo, que também poderá trazer sinergias com os demais, tem como trabalho inicial a realização de levantamentos sísmicos e estudos geológicos.

A Karoon chegou ao Brasil em 2008 e, desde então, investiu 600 milhões de dólares, sem incluir o novo acordo com a Petrobras. A empresa também tem projetos no Peru e na Austrália.

Hosking enfatizou que o Brasil é um país chave para o crescimento da empresa, sem detalhar o montante que está previsto para o país nos próximos anos. Ele também não descarta a possibilidade de buscar novas aquisições da Petrobras ou outras colocadas no mercado brasileiro.

A petroleira brasileira tem um ambicioso plano de desinvestimentos de ativos considerados não essenciais, enquanto busca focar seus esforços na exploração e produção de águas profundas e ultraprofundas.

“Certamente o Brasil é um país chave para o crescimento, nós vamos avaliar as oportunidades colocadas, se acharmos oportunidades interessantes para a companhia, vamos atrás delas”, afirmou.