WHAT'S NEW?
Loading...

Inscrições para o Prêmio Landulpho Alves se encerram no dia 31 de julho

Está chegando ao final o prazo para as inscrições do Prêmio Landulpho Alves. Os interessados devem preencher a ficha de inscrição até o dia 31 de julho e entregá-la na sede do Crea-BA, inspetorias ou encaminhar pelos Correios, junto aos documentos informados no edital. Podem participar do Prêmio, profissionais que atuem nas áreas de Agronomia, Engenharia Florestal, Engenharia Agrícola, Engenharia de Pesca, Engenharia de Aquicultura e Meteorologia do estado da Bahia.
 O Prêmio Landulpho Alves nasceu com a proposta de estimular a geração de conhecimento e a cultura empreendedora e tem como tema: “Iniciativas de tecnologias limpas utilizadas para reduzir o uso de agrotóxicos e propor à sociedade uma agricultura saudável”.
Os três melhores projetos serão premiados com R$ 15 mil (1º colocado), R$ 7,5 mil (2º) e R$ 5 mil (3º), além de troféu e medalhas. A comissão julgadora é formada por professores de instituições de ensino, representante do Crea/Mútua, pesquisador da Embrapa, jornalista da área agropecuária, profissionais de entidades e representantes do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae); da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri) e da Secretaria de Ciência Tecnologia e Inovação (Secti).
Os projetos serão julgados quanto ao grau de inovação, aplicabilidade, impactos (influência positiva na aplicação) e apresentação.

Confira o cronograma de atividades 

Período de inscrições e divulgação do prêmio: 29/05/2019 a 31/07/2019
Divulgação das instruções para apresentação das propostas: 07/06
Divulgação dos trabalhos premiados e entrega da premiação: 11/10

Landulfo Alves – Considerado um dos maiores nomes da Agronomia da Bahia, Landulfo Alves de Almeida nasceu em Santo Antonio de Jesus, em 1893. Foi interventor federal na Bahia e senador da República. Formou-se pela Escola Federal de São Bento das Lages, com especialização no  Agriculture and Mechanical College do Texas. Integrou o quadro de Agrônomos do Ministério da Agricultura e foi professor da Escola Federal de Agricultura.  Quando governou a Bahia, deu ênfase ao desenvolvimento agrícola e reestruturou a Secretaria de Agricultura, estimulando a fruticultura e a produção do algodão. Morreu em 15 de outubro de 1954.