WHAT'S NEW?
Loading...

Balsa com módulos de plataforma da Petrobras naufraga em Santa Catarina

Um dos módulos da P-71 que estava na Locar V, balsa que naufragou

A balsa Locar V, da empresa Locar, naufragou parcialmente na noite do último sábado (18) enquanto estava sendo rebocada de Itajaí (SC), com destino ao Espírito Santo, transportando dois módulos de geração de energia da plataforma P-71, da Petrobras. O incidente com a balsa não fez vítimas – a embarcação não tripulada era rebocada pelo TS Favorito, rebocador da Tranship.

Petrobras confirma a informação. “A Petrobras informa o naufrágio da balsa Locar V, que transportava dois módulos da plataforma P-71, na noite de sábado 18/5. Mais informações serão divulgadas oportunamente”.

Em comunicado à Capitânia dos Portos de Itajaí, a Proamar informa que “no dia 18/05/2019, por volta das 19:30, nas proximidades da Lagoa Canal do Linguado em Santa Catarina (…) ocorreu o naufrágio parcial da Balsa Locar V com os módulos M-15 e M-16 da P-71, indo a pique de forma parcial, tendo ficado com uma parte boiando de forma submersa em conjunto com a sua carga por causas ainda indefinidas”. A Proamar é uma agência marítima representando a Tranship nessa operação.

Os módulos M-15 e M-16 são unidades de geração de energia do topside do FPSO P-71 que foram construídos em Itajaí e estavam sendo transportados para o Aracruz (ES) para serem instalados na plataforma. A integração da P-71 está contratada com o estaleiro Jurong e o casco foi feito na China.

Ainda não se sabe o estado dos módulos. De acordo com a notificação da Tranship, feita logo após o incidente, os equipamentos não tinham submergido completamente. A Petrobras informou que ainda está apurando as consequências do naufrágio.

Os módulos que estavam sendo rebocados são conjuntos de turbinas abastecidas com gás produzidos nos próprios campos, que alimentam as plataformas. São unidades de grande porte, podendo chegar a 50 MW de potência instalada em plataforma de grande porte como a P-71.

O último replicante


No início de 2018, A Petrobras fechou com o estaleiro chinês CIMC Raffles contrato para a conversão do casco do FPSO P-71, à época, prevista para campo de Sururu, na Bacia de Santos – o projeto  está fora do atual plano de negócios da petroleira. A licitação para conversão do casco foi realizada no fim de 2017. A integração da unidade está contratada com Estaleiro Jurong Aracruz, no Espírito Santo.

O casco do FPSO foi inicialmente contratado pela Petrobras com a Ecovix, que venceu a licitação para fazer os oito cascos das plataformas replicantes do pré-sal mas acabou enfrentando diversos problemas financeiros e também teve antigos sócios presos pela Operação Lava Jato. A estatal cancelou o contrato para a construção do casco, que já havia sido iniciada e indicou a venda dos blocos já construídos como sucata.

A P-71 faz parte de um pacote, inicialmente, de oito FPSOs com 150 mil barris/dia de capacidade de produção de petróleo e 6 milhões de m³/dia, de compressão de gás natural. Foram desenvolvidos para os campos do pré-sal e a meta inicial era construir as unidades com alto percentual de conteúdo local em estaleiros brasileiros.

Após uma série de problemas, inclusive a crise desencadeada com a Operação Lava Jato, parte das obras foram para o exterior e duas unidades (P-72 e P-73) tiveram seus contratos cancelados. Ela também seriam construídas no Brasil, pela Ecovix. Com isso, a P-71 é o último FPSO replicante da Petrobras.