WHAT'S NEW?
Loading...

Proquigel, Acron e Formitex disputam Fafens da Petrobras

Resultado de imagem para fafens petrobras

Proquigel Química, PJSC Acron e Formitex Empreendimentos e Participações foram aprovadas pela Petrobras na pré-qualificação para o arrendamento das fábricas de Fertilizantes Nitrogenados de Sergipe (Fafen-SE) e da Bahia (Fafen-BA), incluindo os terminais marítimos de amônia e ureia no Porto de Aratu. 

Quem arrendar as unidades terá a missão de buscar o gás natural para operá-las, já que a licitação não prevê o fornecimento do gás.– “Cabe ressaltar que a Petrobras não fornecerá gás natural diretamente para as fábricas. Os eventuais arrendatários deverão negociar este insumo diretamente com as distribuidoras ou buscar uma alternativa de suprimento”, diz aviso de licitação. A Fafen de Sergipe demanda 1,36 milhão de m3/dia de gás natural e a unidade da Bahia, 1,4 milhão de m3/dia de gás natural.

— Fafen-SE – Unidade de fertilizantes nitrogenados com capacidade de produção total de ureia de 1.800 t/dia. Produtora de ureia fertilizante perolada e granulada, ureia industrial, ureia premium, ureia para o seguimento pecuário, amônia, gás carbônico e sulfato de amônia. Possui as Unidades de Amônia, Ureia e Sulfato de Amônia.

— Fafen-BA – Unidade de fertilizantes nitrogenados com capacidade de produção total de ureia de 1.300 t/dia. Produtora de ureia fertilizante perolada, ureia industrial, ureia premium, Reforce N, amônia, gás carbônico e ARLA-32 (Agente Redutor Liquído Automotivo, produto de uso obrigatório em motores a diesel que façam uso da tecnologia SCR – Selective Catalitic Reduction). Possui as Unidades de Amônia, Ureia e ARLA-32.

— Terminal Marítimo de Amônia e Ureia no Porto de Aratu – Unidades Portuárias com capacidade de armazenagem e carregamento de 20.000/t de amônia e 30.000/t de ureia.

— O arrendamento das unidades foi tema de uma reunião realizada ontem entre o governador Belivaldo Chagas, no Palácio dos Despachos,  e o secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do MME, Marcio Félix. Belivaldo destacou que a Petrobras, o governo federal e o governo do estado precisam estar de mãos dadas diante do que a Fafen representa para a região e para o país. Ele afirmou que existe a proposta de arrendamento por 15 anos, tempo necessário para que a empresa possa investir.

— “Uma vez que a alternativa é o arrendamento, trabalhamos pela viabilidade do mesmo. A Petrobras pediu que oferecêssemos descontos na tarifa da água usada na fábrica, que reavaliássemos tributos como o ICMS e que impactam na distribuição do gás, tudo isso para tornar mais atrativo o arrendamento ás empresa interessadas. Vamos fazer as contas para podermos apresentar o impacto que isso trará. Faremos o que estiver ao nosso alcance, mas um acordo só é bom quando os dois lados têm a ganhar. Vamos estudar a possibilidade de dar nossa contribuição, porém precisamos da contrapartida da Petrobras também. Claro que nos preocupamos e estamos fazendo esses esforços, principalmente, pensando nos empregos gerados pela Fafen direta e indiretamente, mas diante de tantas prerrogativas, precisamos ter a expectativa de um retorno nos próximos anos para que Sergipe não saia no prejuízo”, disse o governador.

— Mostramos na semana passada que o senador Alessandro Vieira (Cidadania/SE) cobrou do governo federal de tomar as rédeas do processo de arrendamento das Fábricas de Fertilizantes Nitrogenados (Fafens) da Petrobras. Em entrevista à epbr, Vieira criticou a postura do governo e da Petrobras e afirmou que a abertura do mercado de fertilizantes para empresas internacionais pode impactar diretamente o custo da produção do agronegócio brasileiro. Para ele, a Petrobras ainda não demonstrou claramente qual é a alternativa pensada para garantir segurança aos agricultores.