WHAT'S NEW?
Loading...

Frota de veículos no Brasil passará de 60 milhões em 2020

Resultado de imagem para Frota de veículos no Brasil

A frota brasileira deverá passar dos 60 milhões de veículos em 2020 na soma de automóveis, veículos comerciais leves, pesados e motos. A estimativa foi divulgada no Relatório da Frota Circulante, estudo anual do Sindipeças (Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores). Até o fim do ano passado esse total era de 57,9 milhões, o que indica para estes dois anos um crescimento de 3,7%.

Pelas novas projeções, somente de automóveis serão quase 40 milhões (38,9 milhões pelo Sindipeças) rodando em 2020. O volume de 37,1 milhões referente a 2018 crescerá 4,8% até 2020.

A maior alta porcentual, no entanto, tende a ocorrer nos comerciais leves. Até o fim do ano passado eles somavam 5,3 milhões de unidades. Devem chegar em 2020 com 5,7 milhões, 7,4% a mais.

As estimativas do Sindipeças preveem pequena alta para a frota de caminhões. Ela permaneceu de 2015 a 2017 na faixa de 1,96 milhão de unidades e subiu para 1,98 milhão em 2018. A previsão para 2020 é de pouco mais de 2 milhões de caminhões rodando no Brasil e crescimento de 1,3% nestes dois anos.

FROTA DE ÔNIBUS ESTAGNADA

Os anos de recessão causaram adiamentos e atrasos nos programas de renovação, sobretudo de empresas de ônibus urbanos. Com isso a frota circulante encolheu de 2016 para 2017 e desde então permanece pouco acima de 386 mil unidades. E a estimativa de crescimento para no período 2018-2020 é de apenas 0,2%.

TOTAL DE MOTOS AINDA ENCOLHERÁ POR MAIS 2 ANOS

Como resultado de quedas seguidas em vendas desde 2012, a frota circulante de motocicletas estagnou em 13,5 milhões de unidades na metade da década e a partir de então entrou em declínio. As estimativas do Sindipeças apontaram 13,1 milhões de unidades em 2018 a as novas projeções indicam 13 milhões (100 mil motos a menos) até o fim do ano que vem.

O Relatório da Frota Circulante é elaborado com informações baseadas nos emplacamentos e no índice de sobrevivência dos veículos. Para as projeções empregou-se como base metodológica a estimativa de crescimento da produção de veículos, elaborada pelo Grupo de Forecast do Sindipeças mediante análise dos fatores ativos que podem impactar (para cima ou para baixo) a evolução das estimativas realizadas.