WHAT'S NEW?
Loading...

Estaleiro tem a energia cortada por falta de pagamento

Resultado de imagem para Estaleiro Inhaúma

Estaleiro Inhaúma (ex-Ishibras) que já viveu tempos de glória na época dos japoneses é operado pela Petrobrás no bairro do Caju, Região Portuária do Rio de Janeiro

Dos tempos áureos da construção naval e de origem japonesa, o Estaleiro Inhaúma, operado pela Petrobrás no bairro do Caju, Região Portuária do Rio de Janeiro, teve nesta última quarta-feira (10/04), sua energia cortada por falta de pagamento á concessionária.

Os trabalhadores que lá se encontravam tiveram que ir para outros prédios para continuarem seus trabalhos, nem o registro do ponto de saída dos mesmos pode ser realizado.

O estaleiro Inhaúma (ex-Ishibras) é de origem japonesa e teve seus momentos de glória durante os bons tempos de nossa indústria naval.

Depois de passar anos fechado, em 2013 foi arrendado pela Petrobras e teve suas instalações revitalizadas pelo Enseada (EEP), que iria realizar a conversão de quatro navios petroleiros nos cascos das futuras plataformas P-74, P-75, P-76 e P-77 que seriam destinadas às áreas da Cessão Onerosa, no pré-sal da Bacia de Santos.

Somente os cascos da P-74 e da P-76 foram convertidos no estaleiro, os cascos da P-75 e da P-77 foram encaminhados pela Petrobras para a China.

No pico das obras de conversão dos cascos da P-74 e da P-76 foram gerados mais de 5 mil empregos diretos no estaleiro, aquecendo a construção naval do Rio de Janeiro.

Triste ver um dos gigantes da construção naval brasileira, além de estar totalmente ocupado pela ferrugem em suas oficinas vazias, chegar a este ponto.

Não é só o estado do Rio de Janeiro que sofre com a crise na indústria naval, a recente derrota do Estaleiro Vard Promar de Pernambuco (era o estaleiro construtor do Consórcio “FLV” formado pelos italianos Ficantieri e estaleiro Leonardo), piorou a situação da Indústria naval do estado.

A falta de encomendas do Estaleiro Atlântico Sul (EAS) ajuda ainda mais a formar o caos no setor e existem até riscos de fechamento dos estaleiros, o que está causando sérias preocupações no sindicato dos Metalúrgicos de Pernambuco (Sindmetal-PE).