WHAT'S NEW?
Loading...

Técnicos que assinaram documento contra tabela do frete serão exonerados, diz ministério

Resultado de imagem para Técnicos  tabela do frete  ministério

Os dois técnicos que assinaram uma manifestação do Ministério da Economia contra o tabelamento do frete rodoviário e que classificou os caminhoneiros grevistas de “conspiradores” serão exonerados no próximo dia 30, informou a assessoria de imprensa do Ministério da Economia.

O documento foi protocolado na quinta-feira (24) e criticou o governo Michel Temer por instituir os preços mínimos de frete.

Conforme a assessoria, os dois técnicos que assinaram o documento, Roberto Domingos Taufick e Ângelo Duarte, não tinham autorização do ministro Paulo Guedes para enviar a peça ao Supremo. A assessoria disse que ambos são servidores remanescentes da gestão anterior.O G1buscava contato com os dois até a última atualização desta reportagem.

Além disso, o ministério afirma que uma nova manifestação será elaborada e enviada ao STF.

O documento foi assinado eletronicamente por um dos técnicos no dia 14 de janeiro e pelo outro no dia 15 de janeiro, e protocolado no Supremo nesta quinta com o logotipo do Ministério da Economia.

Conforme a assessoria de imprensa, trata-se de um documento elaborado em 6 de dezembro, ainda no governo Temer, e lançado em um sistema interno do ministério. Em 14 de janeiro, o documento foi editado, conforme a assessoria.

O documento

No documento, os técnicos afirmaram que o governo Temer foi coagido a instituir preços mínimos.

“A situação de calamidade por que passou o país naqueles dias colocou as autoridades públicas sem alternativa senão atender às demandas do movimento grevista, ainda que em detrimento do bem-estar social. (...) A ação legislativa do governo brasileiro na edição das MPs número 831 e 832, ulteriormente convertidas nas leis 13.703 e 13.713, todas de 2018, não teve natureza pública, e sim privada, em razão de materializar a vontade dos conspiradores”, afirmou o texto.

Ainda segundo o texto, o tabelamento provoca reserva de mercado e "institucionaliza um cartel".

Os técnicos

Angelo José Mont'Alverne Duarte era o subsecretário de Promoção da Produtividade, Concorrência e Inovação do extinto Ministério da Fazenda.

De acordo com o Portal da Transparência, é analista do Banco Central desde 1998, mas estava cedido à pasta desde setembro de 2016, onde recebe uma função comissionada.

Roberto Domingos Taufick também é servidor público e exercia o cargo de assessor do então secretário de Promoção da Produtividade e Advocacia da Concorrência do Ministério da Fazenda, João Manoel Pinho de Mello. Ele também recebia uma função comissionada da pasta.

O Ministério da Economia ainda está reorganizando sua estrutura, cargos e funções, uma vez que reúne atribuições dos extintos ministérios do Trabalho, Planejamento, da Fazenda e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

Uma portaria publicada no dia 2 de janeiro deu prazo até o próximo dia 30 para a conclusão do processo. Nesse período, seguem trabalhando funcionários das antigas gestões dos ministérios e ainda há muitos indicados aguardando nomeação nos novos cargos.

Mais sobre o tabelamento

A tabela com os preços mínimos para os fretes rodoviários foi estabelecida por uma medida provisória editada pelo presidente Michel Temer durante a greve dos caminhoneiros. A MP foi aprovada pelo Congresso Nacional e virou lei.

A edição da tabela foi uma das reivindicações dos caminhoneiros, que protestavam contra o aumento no preço do óleo diesel. A paralisação da categoria, em maio, deixou postos de combustível sem gasolina; aeroportos sem querosene de aviação; e supermercados sem produtos.

Três ações no Supremo questionam a tabela. As entidades argumentam que a MP fere a iniciativa do livre mercado e é uma interferência indevida do Estado na atividade econômica e na iniciativa privada.

No começo de dezembro, o ministro Luiz Fux suspendeu a possibilidade de multas a quem descumprisse o tabelamento, o que esvaziava a medida e gerou protestos de caminhoneiros.

Dias depois, o ministro derrubou a própria decisão e voltou a permitir as multas. A validade do tabelamento ainda será julgada pelo plenário do STF, mas não há previsão de data para isso.