WHAT'S NEW?
Loading...

Chevron compra refinaria de Pasadena da Petrobras, dizem fontes

Resultado de imagem para Chevron compra refinaria de Pasadena da Petrobras, dizem fontes

A Chevron aceitou comprar a refinaria de petróleo de Pasadena da Petrobras, no Texas, unidade com espaço para lidar com o fluxo de "shale oil" (petróleo de xisto) de suas operações no Oeste do estado americano, disseram à agência Reuters duas fontes familiarizadas com as negociações nesta segunda-feira.

A companhia americana deve divulgar o acordo para adquirir a refinaria com capacidade para 112 mil barris por dia (bpd), em Pasadena, neste trimestre, disseram as fontes.

O processo de venda da refinaria de Pasadena — cuja compra pela Petrobras teria causado prejuízo para a estatal de mais de meio bilhão de dólares, segundo relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) — foi iniciado em fevereiro do ano passado.

O porta-voz da Chevron, Braden Reddall, não quis comentar o assunto. A Petrobras afirmou que qualquer informação sobre um acordo será divulgada ao mercado.

Se conseguir concretizar a venda da refinaria de Pasadena, a Petrobras encerrará mais um polêmico projeto envolvendo irregularidades investigadas pela Operação Lava-Jato. A companhia  comprou  em  2006 uma participação de 50% na refinaria  por US$ 360 milhões. Na época esse valor já tinha sido questionado por ser bem inferiorao valor pago,  um ano antes pela belga Astra Oil pela refinaria inteira: US$ 42,5 milhões.

Os gastos com a refinaria aumentariam anos depois quando a Petrobras  se  se desentendeu com a sua sócia no negócio, a Astra Oil,  e uma decisão judicial a obrigou   a comprar a participação da empresa belga. A compra de Pasadena acabou custando  em um valor total de US$ 1,18 bilhão à Petrobras.

O negócio foi alvo da Operação Lava-Jato, entre outros motivos, porque a compra foi realizada quando a ex-presidente da República, Dilma Rousseff, era presidente do conselho da Petrobras. Ela atribuiu o aval do colegiado ao negócio a informações falhas apresentadas pelo então diretor internacional da estatal, Nestor Cerveró, um dos primeiros executivos da estatal presos na investigação.

A refinaria de Pasadena é antiga e tem capacidade para processar 100 mil barris diários de petróleo e capacidade de armazenamento de 5,1 milhões de barris de petróleo e derivados. O ativo inclui ainda terminal marítimo e logística, os estoques existentes além de um terreno localizado no canal marítimo de acesso a Houston.  Na época de sua compra a Petrobras alegava que a refinaria seria um primeiro passo para a entrada da estatal no refino  nos Estados Unidos.