WHAT'S NEW?
Loading...

Sem contratos, a SBM Offshore decide encerrar atividades em estaleiro

Resultado de imagem para estaleiro Brasa no Brasil

A maior fornecedora de FPSO do mundo, a SBM Offshore, encerrará seu estaleiro Brasa no Brasil, onde integra os módulos e cascos de suas unidades FPSO, com um prejuízo de US $ 20 milhões. Além disso, a SBM também teve uma redução de US $ 25 milhões em seu negócio de Unidade de Produção Flutuante.

A SBM Offshore disse que, apesar de o Brasil ser seu principal mercado, com várias oportunidades sendo ativamente perseguidas, o tempo de espera para oportunidades de atividades de construção, combinado com a incerteza quanto à evolução dos regulamentos de conteúdo local, levou à decisão de manter o Brasa sem atividades por pelo menos dois anos.

Resultado de imagem para estaleiro Brasa no Brasil

O pátio de 65.000 m² da Brasa, estabelecido em 2012, está localizado em Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Foi responsável pela construção da integração de toposides nos FPSO’s da Cidade de Ilhabela, Cidade de Marica e Cidade de Saquarema da SBM.

A empresa disse na quinta-feira: “A SBM Offshore, juntamente com seu parceiro de joint venture, decidiu tomar medidas para continuar com o pátio de obras da Brasa pelo menos nos próximos dois anos. Essa decisão exigirá a deterioração do investimento no termetro de empreendimento conjunto (participação de 50%) para um valor contábil residual de zero, resultando em uma redução no valor recuperável de c. US $ 20 milhões.

Nenhuma demanda por FPU’s

Além do Brasil, a SBM Offshore assumiu uma taxa de redução do valor recuperável em seu negócio de Unidade de Produção Flutuante focada na entrega de plataformas semi-submersíveis e Plataformas Tensionadoras.

A SBM afirmou: “Embora a empresa continue buscando oportunidades no mercado de Unidade de Produção Flutuante (FPU), a visibilidade da atividade do cliente nesse segmento permanece moderada. Como resultado, o ágio relacionado à aquisição de subsidiárias sediadas em Houston foi prejudicado na íntegra, resultando em uma redução no valor recuperável de c. US $ 25 milhões.

“O estabelecimento de um pool de recursos globais para engenharia, anunciado em fevereiro, facilitou a implantação de recursos baseados em Houston em outras linhas de produtos, incluindo o FPSO”, disse a SBM.

Além da linha de negócios Brasa e FPU, a SBM Offshore mostrou na quinta-feira otimismo quanto à demanda futura de FPSOs, elevando também sua orientação subjacente de EBITDA direcional de 2018 atualizada de “em torno” para “acima” de US $ 750 milhões.

O CEO da SBM Offshore, Bruno Chabas, disse: “A recuperação do mercado está acelerando com base nos fundamentos da indústria. O investimento é necessário para garantir a produção futura e projetos de águas profundas classificam-se favoravelmente em portfólios de projetos de clientes. A SBM Offshore está posicionada de forma única para se beneficiar da recuperação atual. ”

O guidance de receita direcional para o ano é mantido em torno de US $ 1,7 bilhão, com cerca de US $ 1,3 bilhão da Lease and Operate e cerca de US $ 400 milhões da Turnkey. No acumulado do ano, a SBM Offshore gerou uma receita de US $ 1.247 milhões, estável (-1%) em comparação com o mesmo período do ano passado.