WHAT'S NEW?
Loading...

Produção de etanol de milho pode baratear custos de combustíveis

Resultado de imagem para etanol de milho

Durante audiência pública realizada na Comissão de Agricultura (CRA) do Senado Federal, especialistas ligados à área de biocombustíveis destacaram o potencial no aumento de produção de etanol de milho no País, que pode contribuir para a redução do preço médio dos combustíveis.

Segundo a Agência Senado, um dos participantes do debate, o representante do Ministério das Minas e Energia (MME), Marlon Leal, falou sobre os investimentos na produção de etanol, e destacou que o biocombustível acaba sendo benéfico para o mercado de combustíveis como um todo.

"Desde 2006 o etanol é mais barato. Esse é um dado já consolidado. Portanto quanto mais se oferta e se usa dele, maior é seu impacto na cesta de combustíveis. Só em 2018 o consumidor paulista economizou R$ 1,7 bilhão em combustíveis, comparado com o que gastaria caso não se ofertasse etanol. Desde 2006, a economia já chega a R$ 28 bilhões", detalhou Leal.

O representante do MME também confirmou que o governo conta com o incremento da produção de etanol de milho para diminuir a dependência da gasolina importada, que corresponde a 10% do consumo nacional. Por isso o programa RenovaBio, política nacional para o setor de biocombustíveis, continuará sendo uma prioridade.

"Se não fosse o RenovaBio, hoje 30% do nosso consumo seria de gasolina importada. E não priorizamos nenhum biocombustível: quem tiver mais competitividade vai encontrar seu espaço", afirmou Leal.

Também presente ao debate, o assessor técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Rogério Avellar disse que a produção de milho no Brasil tem condições suprir a demanda para a fabricação de etanol.

"O Brasil produziu na safra passada 81 milhões de toneladas de milho, das quais 54 milhões na safrinha. O Centro-Oeste é responsável por mais de 70% da produção na segunda safra. Temos um volume grande para trabalhar como matéria-prima para a produção de etanol, com possibilidade de expansão de oferta sem abrir novas áreas".

O dirigente da CNA também destacou a importância do RenovaBio. Ele ressaltou que o produtor precisa participar da remuneração gerada pela emissão dos Certificados de Descarbonização (CBios) emitidos pelas usinas de etanol.

"Os produtores ficarão mais incentivados a investir mais na sua atividade, contribuindo para uma produção mais sustentável e uma matriz energética nacional mais limpa e renovável".