WHAT'S NEW?
Loading...

Montadoras estão prontas para lançamento de grandes caminhões elétricos

Resultado de imagem para Montadoras estão prontas para lançamento de grandes caminhões elétricos

A autonomia limitada da maioria dos caminhões comerciais a hidrogênio ou elétricos de primeira geração e a falta de infraestrutura de recarga ameaçam limitar as vendas a operações de curta distância.

Na China, os reguladores estão considerando um plano de longo prazo para substituir 1 milhão de caminhões a diesel por caminhões mais limpos, incluindo modelos elétricos, e alguns portos e cidades chinesas estão proibindo caminhões a diesel, o que pode aumentar significativamente as vendas.

Nos Estados Unidos, as perspectivas para a demanda de caminhões elétricos são mais nubladas. Alguns analistas estimam que, até meados da década de 2020, as vendas anuais de caminhões elétricos nos EUA podem ficar na casa das centenas. Nos últimos 12 meses, os pedidos de caminhões a diesel totalizaram 497 mil unidades.

“O OVO OU A GALINHA”
A infraestrutura de abastecimento é uma grande dor de cabeça para caminhões elétricos e movidos a hidrogênio.

O diretor de veículos comerciais da Hyundai Motor, Mark Freymueller, descreve problema como a questão do ovo e da galinha: as empresas de caminhões estão relutantes em comprar caminhões sem postos de abastecimento, mas os operadores de postos de combustível não os instalarão sem clientes de caminhões.

Caminhões elétricos a bateria podem levar horas para recarregar e as estações de recarga são escassas na maioria dos Estados dos EUA. Os caminhões de hidrogênio podem ser reabastecidos em aproximadamente o mesmo tempo que um caminhão a diesel - mas as estações de reabastecimento de hidrogênio são ainda mais raras, com a maioria concentrada na Califórnia.

“Infraestrutura de abastecimento é um primeiro passo muito importante”, disse Chris Cannon, diretor de sustentabilidade do Porto de Los Angeles. “Os caminhões podem funcionar muito bem, mas se não conseguirem combustível, não poderão operar.”

No mês passado, o Conselho de Recursos Aéreos da Califórnia anunciou 41 milhões de dólares em doações ao porto para a construção de 10 caminhões elétricos movidos a célula de combustível de hidrogênio a serem desenvolvidos pela unidade Kenworth da Toyota e a Paccar.

A doação também financiará parcialmente dois novos postos de combustíveis de hidrogênio a serem construídos pela Royal Dutch Shell.

A maioria dos fabricantes vê rotas de curta distância, como serviços de transporte de e para portos ou pátios ferroviários, como prováveis ​​primeiros adotantes de caminhões elétricos ou movidos a hidrogênio.

“Achamos que as primeiras aplicações vão ser mais curto prazo”, disse Denny Mooney, vice-presidente de engenharia da Navistar International. “Vamos começar onde o negócio faz sentido.”

Clientes da Tesla, como a unidade DHL da Deutsche Post, que encomendou 10 Semis, dizem que poderiam economizar dezenas de milhares de dólares em manutenção e combustível anualmente.

Elon Musk disse que o alcance do Semi pode atingir 600 milhas— cerca de 965 quilômetros. Mas um porta-voz disse que subir a montanha com ar condicionado ou usar outros aparelhos reduziria esse alcance. Muitos modernos veículos de 18 rodas contêm televisores, geladeiras e outros aparelhos.

“Em muitos aspectos, somos idealmente adaptados para sermos os primeiros a adotar essa tecnologia, porque não temos muito negócio a longo prazo”, disse o porta-voz da UPS, Glenn Zaccara.

A Tesla está trabalhando com clientes em potencial, incluindo UPS, Pepsico e Anheuser-Busch para construir estações de carregamento em suas instalações.

Reportagem adicional de Eric Johnson em Seattle, Hyunjoo Jin em Seul, Norihiko Shirouzu e Yilei Sun em Pequim