WHAT'S NEW?
Loading...

Petróleo do pré-sal já é competitivo com o óleo de xisto dos EUA, diz BP

Resultado de imagem para Petróleo do pré-sal já é competitivo com o óleo de xisto dos EUA, diz BP

O petróleo do pré-sal brasileiro já pode ser considerado um produto de "baixo custo" da indústria petrolífera global e capaz de competir de igual para igual com "shale oil" e "shale gas", a produção não convencional dos Estados Unidos, disse no último dia, 22/08, o presidente da BP no Brasil, Adriano Bastos.

Segundo ele, desde o início da campanha no pré-sal brasileiro houve avanços geológicos e tecnológicos que aumentaram a eficiência do pré-sal, tornando o produto que já era de qualidade bastante competitivo.

"O pré-sal é cada vez mais 'low cost', e somos competitivos. Competitivos inclusive com o 'shale oil' e 'shale gas', mesmo com os Estados Unidos", disse ele em palestra no Rio de Janeiro.

A Arábia Saudita, líder da Opep, deu sinais de que pretende aliviar a escassez. Porém, ainda teme que a liberação de mais petróleo cause uma queda nos preços. O país também se prepara para abrir o capital da estatal petroleira Saudi Aramco O fato mais recente que tem influenciado a cotação do barril de petróleo foi a decisão de Donald Trump de deixar as negociações com o Irã .

Com um petróleo mais caro, o custo de produzir gasolina e diesel também aumenta. Consequentemente, o preço no posto de gasolina sobe também.

"Somos competitivos mesmo com eles tendo uma velocidade de reação para variação de preço muito mais rápida que nós", acrescentou Bastos, explicando que a indústria de petróleo nacional, entre descobrir e produzir, pode levar dez anos, enquanto os produtores norte-americanos de óleo não convencional reagem às cotações em apenas um mês, "até porque conseguem sondas e máquinas em cada esquina e têm um modelo de impostos e governança melhor".

Os últimos dados da reguladora ANP mostram que a produção da camada pré-sal já representa mais de 50% da produção nacional.

A BP tem 21 concessões de exploração de petróleo e gás no Brasil em quatro bacias sedimentares e também atua no pré-sal brasileiro.

A expectativa do presidente da BP é de que até 2030 o Brasil se torne um grande exportador mundial de petróleo e gás, graças também ao avanço da campanha no pré-sal.

Segundo Bastos, a eficiência da indústria de petróleo global precisa aumentar em um ritmo ainda mais acelerado para que as reservas sejam exploradas antes que novas fontes tomem espaço na matriz energética.

Um estudo apresentado pelo executivo durante a palestra mostrou que hoje há no mundo 4,9 trilhões de barris de óleo equivalentes em reservas provadas, mas diante dos avanços de novas fontes de energia renovável, a perspectiva é que apenas 1 em cada 3 barris seja recuperável.

O presidente da BP no Brasil evitou falar sobre os rumos da indústria petrolífera nacional em meio ao processo eleitoral, mas listou como problemas no horizonte a falta de previsibilidade dos leilões de áreas de petróleo no Brasil e o demorado e complexo processo de licenciamento ambiental no país.

Bastos lembrou que há projetos da BP na margem equatorial que enfrentam dificuldades para ter continuidade na campanha exploratória.