WHAT'S NEW?
Loading...

7 Eventos que Impulsionam o Preço do Petróleo

Resultado de imagem para 7 Eventos que Impulsionam o Preço do Petróleo

Apesar das decisões da Rússia e da Arábia Saudita de rapidamente acelerarem a produção, os mercados de petróleo continuam a estar sobrecarregados de notícias de greves de trabalhadores e interrupções na produção. Isso, claro, é positivo para o preço do petróleo.

Apesar de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, ter pedido o aumento da produção para reduzir os preços, os mercados provavelmente estão indo para o outro lado. Aqui está um resumo de 7 eventos regionais e por que eles farão o petróleo subir.

1. Noruega

Trabalhadores de petróleo e gás das plataformas offshore da Noruega decidiram entrar em greve depois de rejeitarem um acordo salarial. Pelo menos um campo de petróleo operado pela Royal Dutch Shell (NYSE:RDSa) foi desativado.

2. Líbia

A agitação na Líbia causou uma interrupção significativa na produção de petróleo do país. A produção caiu para apenas 527.000 barris por dia em relação à máxima anterior de 1,28 milhão de barris por dia. De acordo com o presidente da companhia petrolífera nacional da Líbia, a produção de petróleo do país deverá diminuir ainda mais.

3. Gabão

Trabalhadores do setor de petróleo da subsidiária da Total (NYSE:TOT) no Gabão decidiram entrar em greve por 15 dias a partir de 9 de julho. A Total produz 54.000 barris por dia no Gabão de um total de cerca de 200.000 barris por dia.

4. Canadá

A Syncrude anunciou que suas instalações de oleodutos não retornarão à capacidade total até setembro. Embora 150.000 barris por dia devam voltar ao oleoduto em meados de julho, com a expectativa de que mais 100.000 voltem em agosto, o restante da produção pode não voltar até meados de setembro.

5. Irã

Segundo a Platts, a produção de petróleo do Irã caiu para 3,80 milhões de barris por dia em junho. A Índia está atualmente trabalhando para reduzir suas importações de petróleo do Irã, uma vez que os EUA recentemente disseram que não emitirão quaisquer isenções à Índia para continuar importando petróleo iraniano depois que as sanções entrarem em vigor em novembro. A Índia é o segundo maior importador de petróleo iraniano depois da China.

6. Estados Unidos

A produção de petróleo nos Estados Unidos permanece estável em 10,9 milhões de barris por dia. A falta de capacidade de oleoduto nas regiões produtoras de petróleo deverá reduzir o crescimento da produção no restante de 2018.

7. Venezuela

A produção de petróleo na Venezuela teve redução de mais 6.000 barris por dia em junho, totalizando o nível mínimo de 1,30 milhão de barris por dia, segundo a Platts. A Venezuela espera que o novo investimento da China na região do Cinturão do Orinoco ajude a elevar a produção de petróleo em breve. No entanto, mesmo que a produção cresça naquela região, ela dificilmente compensará os declínios esperados na produção das outras regiões produtoras de petróleo da Venezuela.

No final de junho, o presidente Trump pediu o aumento da produção para reduzir os preços, e a Rússia e a Arábia Saudita de fato aumentaram sua própria produção. Ainda assim, todos os fatores acima estão compensando o aumento da produção. É por isso que, pelo menos por enquanto, os preços não vão cair.