WHAT'S NEW?
Loading...

Bahia tem praticamente a mesma malha ferroviária de 1920: 'Falta incentivo'

Imagem relacionada

Apesar de ter sido melhorado, pouca coisa mudou no sistema ferroviário de 1920 até 2018 – já que a extensão continua sendo de cerca de 29 mil quilômetros de trilhos. De acordo com o historiador Francisco Sena, a criação da Petrobras, na década de 1950, deu início a derrocada do transporte ferroviário. “Começa toda uma política nacional de transporte para privilegiar o petróleo. O asfalto é derivado do petróleo e o diesel também, obviamente, então, o investimento passou a ser em estradas e indústria automobilística”, explicou.

Trechos em situação precária: “50% utilizado”

Na opinião do especialista em engenharia ferroviária, Jorge Ubirajara, a malha baiana vive dias de precariedade. “No trecho da ferrovia na Bahia até Belo Horizonte a taxa de ocupação está abaixo de 50% em relação à utilização. É uma situação crítica. Tem ferrovias que, por mais que tenham sido melhoradas com o processo de privatização, entretanto, não foi suficiente. A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), quando concessiona essas rodovias, traça algumas metas de produção para as concessionárias que não são cumpridas”, pontuou.

Fiol ainda é esperança para economia estadual 

Orçada em R$ 6,4 bilhões, a Ferrovia Oeste Leste (FIOL), que foi projetada para auxiliar a escoar a produção de minério de ferro e grãos da Bahia para o centro do país ainda é promessa. A obra lançada em 2011 prevê 1.527 quilômetros de trilhos, mas foi parada por falta de verbas. Durante ida a Brasília, em maio, Rui Costa (PT) cobrou uma solução para a obra. “Mesmo sendo uma obra federal, o governo da Bahia não abre mão de acompanhar de perto”, afirmou ao explicar que o Estado fez o estudo de viabilidade econômica da ferrovia e entregou à Empresa de Planejamento e Logística (EPL).

Resultado de imagem para Ferrovia Oeste Leste (FIOL)

VLI rebate críticas

A  VLI rebateu as críticas de especialistas e do Governo da Bahia e afirmou que já investiu R$ 190 milhões nas operações. “O corredor logístico Minas-Bahia tem operações regulares e movimenta cerca de 200 mil toneladas de cargas por mês. Os principais produtos são cal, sínter, cimento, derivado de petróleo e minério de cromo. Só na Bahia, a empresa gera mais de 500 postos de trabalho”, afirmou. A empresa não se pronunciou sobre a multa apontada pelo Governo da Bahia até a publicação desta matéria.