WHAT'S NEW?
Loading...

EMPREGOS: Petrobras volta fará investimentos de US$ 74,5 bi nos próximos quatro anos

Resultado de imagem para Petrobras noticias trecho

A Petrobras voltou a ampliar seu plano de investimentos e anunciou que fará aportes de US$ 74,5 bilhões no período de 2018 a 2022, conforme Plano de Negócios e Gestão (PGN) divulgado na última semana. Depois de reduzir investimentos nos últimos anos. a petroleira ampliou em 0,5% o volume de recursos, quando comparado com o plano de gestão anterior, que tratava do período de 2017 a 2021.

Do total de investimentos destinados pela Petrobras até 2022, US$ 60,3 bilhões serão destinados para exploração e produção Foto: Fabio Motta/Estadão

O ligeiro aumento nos investimentos difere da situação registrada no ano passado, quando a Petrobras, que está saindo de uma crise gerada por um escândalo de corrupção, cortou em 25% os aportes ante o programa anterior.

No documento, a empresa manteve as principais premissas adotadas no plano anterior. Segundo a estatal, a carteira de investimentos mantém o mesmo nível em relação ao PNG 2017-2021 e continua priorizando os projetos de exploração e produção de petróleo no Brasil. Os aportes totais previstos pela estatal no período somam US$ 74,5 bilhões.

Desse total, US$ 60,3 bilhões serão destinados para exploração e produção. "Nas demais áreas de negócios, os investimentos destinam-se, basicamente, à manutenção das operações e a projetos relacionados ao escoamento da produção de petróleo e gás natural", diz a companhia, que projeta US$ 13,1 bilhões em investimentos em refino e gás natural.

Em relação aos custos operacionais, a Petrobras diz continuar com esforços de redução, prevendo um montante de US$ 136,8 bilhões de gastos operacionais gerenciáveis no PNG 2018-2022. O programa de parcerias e desinvestimentos, segundo a estatal, atingiu o valor de US$ 13,6 bilhões no biênio 2015-2016. Para o biênio 2017-2018 a meta é a mesma já anunciada, de US$ 21 bilhões.

"Essas iniciativas, associadas a uma geração operacional de caixa estimada em US$ 141,5 bilhões, após dividendos, permitirão à Petrobras realizar seus investimentos e reduzir seu endividamento, sem necessidade de novas captações líquidas no horizonte do Plano", destaca a empresa.

O documento informa que a companhia mantém como base as duas métricas de topo principais, uma de segurança e outra financeira, conforme já definidas no PNG 2017-2021. O principal indicador financeiro da empresa continua sendo a alavancagem (Dívida Líquida/Ebitda ajustado), com a meta de 2,5 vezes em dezembro de 2018. "O objetivo é que o indicador seja declinante e convergente, até 2022, com a média mundial das principais empresas do setor", diz a Petrobras.

Venda de ativos rende US$ 17 bi à Petrobras

A métrica de segurança, no entanto, foi antecipada em dois anos: o limite da Taxa de Acidentados Registráveis por milhão de homens-hora (TAR) foi reduzido de 1,4 para 1,0 em 2018. O limite da TAR para o ano de 2018 foi alterado, segundo a empresa, em função da implantação do Programa Compromisso com a Vida em 2017, que teve 100% das suas ações concluídas, contribuindo para a redução da TAR em cerca de 50%, ou seja, de 2,15 em 2015 para 1,08 em outubro/2017. "Esse programa terá um novo ciclo, contendo ações pautadas na segurança dos processos e incorporadas aos princípios e diretrizes que abrangem também as dimensões de Meio Ambiente e Saúde".

BR poderá competir em igualdade de condição e superar distribuidoras, diz Parente

Produção. A Petrobras informou ainda, em seu Plano de Negócios, que espera alcançar uma produção total de óleo e gás, no Brasil e no exterior, de 3,55 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed) em 2022. Desse total, 2,88 milhões de barris por dia (bpd) de óleo e líquido de gás natural (LGN) seria produzidos no Brasil, já considerando os investimentos, as parcerias e os desinvestimentos. No plano anterior, a estatal projetava 2,77 milhões de barris diários de petróleo, no Brasil, em 2021.

Em paralelo, a Petrobras prevê uma recuperação nos preços do petróleo Brent até 2022, saindo de uma média de US$ 53 por barril em 2018 para US$ 73 cinco anos depois. O cenário da estatal ocorre em meio à extensão do pacto global de corte de produção liderado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep e Rússia) até o fim de 2018.

Já o dólar deve saltar de uma média de R$ 3,44 em 2018 para R$ 3,80em 2022, segundo a Petrobras.