WHAT'S NEW?
Loading...

Com investimento de R$ 7,345 bilhões, planta da Fíbria em MS se torna uma das maiores do mundo em celulose

Resultado de imagem para linha de produção em sua fábrica em Três Lagoas


Com um investimento de R$ 7,3 bilhões, para a implantação de uma segunda linha de produção em sua fábrica em Três Lagoas, no leste de Mato Grosso do Sul, a unidade da Fibria se tornou uma das maiores plantas do mundo em fabricação de celulose, com capacidade instalada para processar 3,25 milhões de celulose por ano.

A segunda linha entrou em operação em 23 de agosto deste ano, três semanas antes do previsto. Além de antecipar o cronograma da obra, a empresa ainda conseguiu reduzir o custo final do empreendimento, inicialmente previsto em R$ 7,7 bilhões, em 4,6%.

Aires Galhardo, diretor de operações da empresa, destaca que esse resultado foi obtido graças a um conjunto de fatores como, por exemplo, ganhos de produtividade, utilização de novas tecnologias e soluções inovadoras na obra. Ele ressalta que até mesmo a crise econômica ajudou em alguns aspectos, possibilitando melhores condições de negociação com fornecedores e a disponibilidade dos melhores profissionais do mercado para a execução do projeto.

O diretor de Engenharia e Projetos da companhia, Júlio Cunha, destaca que a quantidade de matéria-prima utilizada na obra expressa a dimensão do projeto de ampliação da fábrica. Conforme ele, foram utilizados na nova linha 225 mil metros cúbicos de concreto, o equivalente ao que consumiria a construção estádios do Maracanã, no Rio de Janeiro.

“Em aço de construção foram 20 mil toneladas, o equivalente a três torres Eiffel e em movimentação de terra foram 2 milhões de metros cúbicos. Isso seria suficiente para encher uma fileira de caminhões que se estenderia de São Paulo até o Rio de Janeira, ida e volta”, comenta, completando que a altura de algumas das estruturas da nova linha, como a chaminé, que tem 150 metros, são maiores que a estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, que tem 80 metros.

O gerente geral da indústria, Maurício Miranda, aponta que a empresa pretende produzir na nova linha até o fim deste ano 377 mil toneladas de celulose. Para 2018, a previsão é de o volume atinja 1,755 milhão de toneladas, em 2019, 1,850 milhão de toneladas e em 2020 alcance a capacidade instalada, de 1,95 milhão de toneladas.

Ele acredita que quando a capacidade plena da nova linha for alcançada, que a curva de aprendizagem da operação e o aprimoramento dos processos pode levar até mesmo a ampliação desse volume total.

A companhia aponta que para abastecer suas duas linhas de processamento é necessário uma base de 308 mil hectares com florestas plantadas. Desse total, 121 mil já estão com florestas formadas para abastecer a primeira fábrica e dos 187 mil hectares para atender a segunda, 162 mil hectares já foram plantados, em áreas arrendadas. As florestas têm um raio médio de até 100 quilômetros de distância da indústria, o que faz da unidade uma das mais competitivas do setor.

Para escoar a produção da segunda linha, que será destinada ao mercado externo, especialmente a China, a Europa e os Estados Unidos, a Fibria também fez investimentos logísticos. Construiu em Aparecida do Taboado, a cerca de 160 quilômetros de Três Lagoas, um terminal multimodal de celulose. A produção sai da planta e percorre de caminhão esse trecho e depois é embarcada em trens, que percorrem mais 900 quilômetros até o Terminal de Macuco, no Porto de Santos, de onde segue para o exterior.

O trecho da malha ferroviária usado para escoar a produção da segunda linha tem bitola larga, o que possibilita que os vagões transportem um maior volume, 88 toneladas, totalizando 5.896 toneladas cada composição e trafeguem com uma velocidade maior, 80 quilômetros por hora.

A nova linha, além de celulose, possibilita que a empresa amplie o volume de energia elétrica cogerada a partir da biomassa resultante dos processo industrial e disponibilizada ao Sistema Interligado Nacional (SIN), em 130 MW, o que seria suficiente para abastecer uma cidade com aproximadamente 1 milhão de habitantes.

A construção da segunda linha de produção demandou a participação de 40 mil trabalhadores na obra. Para atuar na operação, a empresa vai contratar 3 mil funcionários, entre diretos e indiretos, sendo 90% da mão de obra local, o que demandou desde o início do projeto, um trabalho de capacitação.

Inovação

No projeto da segunda linha de produção, a empresa implantou soluções inovadoras em vários processos. Uma das iniciativas foi no transporte da madeira da floresta até a fábrica. Foi inserido nas operações o pentatrem, uma carreta que leva cinco composições com madeira, totalizando 120 toneladas, e que circula somente por estradas internas. Para evitar cruzar com uma rodovia, a MS-158, foi construído inclusive um túnel que passa por baixo da estrada.

Isso possibilitou um ganho de 70% no volume de madeira transportada em relação aos caminhões tradicionais e redução de 20% no gasto de combustível por metro cúbico transportado. Também foi implantado um sistema de monitoramento automático dos caminhões, com leitor veicular e painéis que indicam para onde cada veículo deve seguir na indústria.

Outra inovação foi a criação do primeiro viveiro automatizado de produção de mudas de eucalipto do mundo. A tecnologia foi trazida da Holanda, onde é utilizada para o cultivo de mudas de flores e adaptada para o eucalipto, possibilitando um aumento de produtividade três vezes maior do que de um viveiro tradicional.

Instalado em uma área de 48 mil metros quadrados, o viveiro automatizado tem capacidade para produzir até 43 milhões de mudas de eucalipto por ano, segundo o coordenador da unidade, Jefferson Oliveira.

Ele explica que o viveiro opera como uma espécie de “fábrica de mudas”, contando com 24 robôs que fazem a seleção, plantio, diagnóstico e até o embarque automático para o transporte até o campo, em um processo que demora cerca de 90 dias, entre a seleção dos clones das plantas com melhor desempenho até a expedição para o cultivo.

O transporte das mudas é feito por meio de bandejas automáticas, com identificação rastreável, o que permite o acompanhamento do trajeto durante todo o processo produtivo. O sistema de irrigação é automatizado e uma estação meteorológica monitora o clima e garante o fechamento automático de tetos retráteis, protegendo as mudas do excesso de chuvas e controlando a exposição ao sol.

Oliveira destaca que a qualidade das mudas produzidas pelo processo automatizado é melhor do que no sistema tradicional e tem um custo de produção 25% menor. Além disso, tem uma preocupação com a sustentabilidade, utilizando tubetes de papel biodegradável, em vez de plástico, para cultivar as mudas.