WHAT'S NEW?
Loading...

Navio derrama 1500 litros de óleo diesel em Santos

Resultado de imagem para navio NS Stella

Estimativa inicial da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), divulgada na manhã da última segunda-feira (18), aponta que aproximadamente 1.500 litros de óleo diesel vazaram da embarcação NS Stella, durante operação do navio na empresa Adonai Química, na Ilha Barnabé, localizada na Margem Esquerda do Porto de Santos.

No domingo (17), a Prefeitura de Guarujá declarou que a substância teria chegado ao Canal do Estuário. Em nota, a Cetesb diz que “a empresa Alpina (Briggs), que trabalhou no recolhimento do óleo, fez uma vistoria no domingo na Praia do Góes, mas encontrou somente iridescência do produto na lâmina d’água, que pode ser das próprias embarcações que fazem o percurso entre Santos e a praia”.

A Adonai Química informou, em nota, que “foi encontrada uma pequena mancha nas proximidades do Ferry Boat e a amostra foi retirada para análise”. Ainda em nota, a empresa diz que “não há estimativa de volume derramado, uma vez que o navio segue em operação” e “até o momento não foi identificado qualquer tipo de dano (ao meio ambiente)”.

Segundo a Adonai, uma embarcação da empresa Alpina Briggs “está continuamente monitorando e fiscalizando o estuário e as áreas do entorno das praias do Goes, Santa Cruz dos Navegantes e Sangava”.

Quanto às sanções a serem aplicadas por conta do vazamento, a diretoria da Cetesb informou que a penalidade ainda “está sendo avaliada”.

O acidente ocorreu por volta das 20 horas, quando o navio NS Stella estava descarregando 180 mil litros de óleo diesel S-10.Para que o produto não se espalhasse, a empresa instalou barreiras de contenção e, ao longo da madrugada de sábado para domingo, houve a remoção do óleo diesel.

Atualização

Em nota encaminhada ao Notícias do Trecho, a Secretaria de Meio Ambiente de Guarujá informou que após ser informada pela Codesp na manhã do último domingo (17), enviou prontamente suas equipes para fiscalização no canal do estuário. Ainda segundo a secretaria, ainda não é possível mensurar proporção de óleo derramado e os danos ambientais, já que os trabalhos prosseguem e a previsão é que sejam concluídos em até 15 dias.

A vistoria vem sendo realizada ao longo do estuário até a Ilha Barnabé. A Secretaria destaca ainda que há a necessidade de fiscalização junto às áreas de mangue, em direção ao Canal de Bertioga.