WHAT'S NEW?
Loading...

De olho em concessões, Vinci Partners quer dobrar aposta em infraestrutura

Resultado de imagem para concessões

A gestora brasileira Vinci Partners planeja dobrar os investimentos na área de infraestrutura, de R$ 2 bilhões para R$ 4 bilhões, nos próximos dois anos. A empresa, que administra R$ 20 bilhões em ativos de vários setores no Brasil, vai focar os esforços em quatro segmentos na área de infraestrutura: transmissão e geração de energia elétrica; aeroportos; e saneamento básico. Os investimentos podem ocorrer por meio de leilão de concessão, como o da Cemig, que ocorre hoje, ou por aquisição de ativos.

Fundada em 2009 pelo banqueiro Gilberto Sayão, a empresa tem participações em companhias como Burger King, Cecrisa, a seguradora Austral e a locadora de veículos Unidas. A gestora também teve entre suas grandes apostas a construtora PDG, que, após várias tentativas de reestruturação, pediu recuperação judicial em fevereiro deste ano.

No setor de infraestrutura, a Vinci tem investimentos na empresa de transporte naval CBO e foi sócia da elétrica Equatorial até 2015, quando vendeu a participação por cerca de R$ 700 milhões. Com dinheiro em caixa, a gestora quer aproveitar a oferta de negócios no mercado.
“O número de oportunidades de ativos disponíveis hoje é muito grande e vai aumentar ainda mais”, afirma o sócio da gestora, José Guilherme Souza.

Segundo ele, o setor elétrico deverá ser o carro chefe da empresa nesse novo ciclo de investimentos. O apetite já foi demonstrado no primeiro leilão de linhas de transmissão que a empresa participou neste ano. A gestora arrematou sozinha um lote de 198 quilômetros de linhas no Nordeste, com investimentos de R$ 271 milhões.

Cemig

Na área de geração, um dos focos serão os projetos de energia eólica e solar. Mas, como há muita oferta de empresas e projetos à venda no setor, a companhia avalia as oportunidades pontualmente. No rol de ativos, estão as usinas hidrelétricas da Cemig, que o governo vai leiloar hoje na B3. Até o início da noite de ontem, a gestora ainda negociava uma parceria com um investidor estratégico que vai participar da disputa.

No segmento de distribuição, fontes do setor comentam que a Light, que exigiria desembolsos de até R$ 6 bilhões, também pode estar no radar da empresa, que prefere não comentar sobre a concessionária.

Outro setor na lista da companhia é o de gás natural. Executivos da Vinci viajaram para o Canadá nesta semana para negociar parcerias para a formação de um consórcio que vai avaliar a Transportadora Associada de Gás (TAG), da Petrobras. O ativo reúne a infraestrutura de gasodutos nas Regiões Norte e Nordeste do País.

Transportes

As novas concessões de aeroportos que o governo planeja leiloar e ativos licitados no passado também estão sendo estudadas pela Vinci. Um exemplo é o Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas. Em julho, os acionistas da concessionária, formada por Triunfo, UTC e Egis, decidiram devolver a concessão ao governo federal por dificuldade financeira. “Temos interesse nesse ativo em particular e estamos avaliando uma possível solução para o caso”, diz Souza.

Embora os acionistas tenham optado pela devolução, o caso ainda está pendente. Do ponto de vista operacional, apesar da demanda estar baixa, os investidores veem poucos problemas. O maior entrave é financeiro, já que o tamanho da dívida é alta e a outorga desproporcional com a movimentação do aeroporto. Mas, para o estrangeiro, a concessão tem seus atrativos, como a forte movimentação de carga e o porcentual de receita em dólar.

“Além de Viracopos, estamos analisando todos os demais projetos incluídos no pacote de concessão do governo, que é ambicioso e com timing apertado pelo calendário eleitoral. Mas alguns sinais foram muito bons, sendo o melhor deles a decisão de privatizar a Eletrobras.”

Souza diz que, no setor de saneamento básico, a iniciativa do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) de ajudar os Estados na elaboração de projetos pode render bons negócios Brasil afora.