WHAT'S NEW?
Loading...

Sonda ficará fora de operação

Resultado de imagem para Ocean Courage Diamond Offshore

A sonda Ocean Courage, da Diamond Offshore, ficará 45 dias fora de operação durante o terceiro trimestre. O objetivo é realizar ajustes no blowout preventer (BOP) da unidade, atividade prevista no contrato de afretamento.

A embarcação está contratada pela Petrobras até fevereiro de 2018, pela taxa diária de US$ 455 mil, mas há possibilidade de extensão do afretamento até julho de 2020. Nos últimos anos, a unidade foi responsável por campanhas de avaliação de descobertas em águas profundas, como Pitu, na Bacia Potiguar, e Moita Bonita, em Sergipe-Alagoas.

Atualmente, a Diamond Offshore move uma ação na Justiça brasileira contra a Petrobras pelo cancelamento antecipado do contrato de afretamento da sonda Ocean Valor. Enquanto isso, o contrato do navio segue em curso. Até o momento, uma decisão judicial foi favorável à Diamond.

“Esperamos que a sonda continue contratada. Ainda existe um recurso pendente, disponível para a Petrobras. Isto está em uma instância superior, então estamos incertos sobre a aceitação deste recurso”, explicou Marc Edwards, CEO da Diamond, durante conferência com analistas na última semana.

Hoje, a Ocean Valor e a Ocean Courage são as únicas sondas da Diamond Offshore que atuam na América do Sul. Ao todo, a companhia tem 13 unidades contratadas ao redor do mundo, seis sondas fora de operação e outras cinco sondas à venda.

A companhia teve lucro de US$ 16 milhões no segundo trimestre de 2017, frente ao prejuízo de US$ 590 milhões do mesmo período do ano passado. As receitas de março a junho somaram US$ 399,3 milhões, aumento de 1% em relação ao faturamento de US$ 388,7 milhões dos mesmos meses em 2016.

Ao todo, o lucro do primeiro semestre do ano foi de US$ 39,5 milhões, melhoria na comparação com o prejuízo de US$ 502,5 milhões dos seis primeiros meses de 2016. O faturamento semestral foi de US$ 773,5 milhões, crescimento de 0,9% na comparação com as receitas de US$ 859,3 milhões do mesmo período no ano passado.

Por Gabriela Medeiros