WHAT'S NEW?
Loading...

Novas construções podem turbinar expansão da GD no país


Ainda necessitando de um vetor para a sua expansão, a movimentação de um setor pode contribuir para o aumento exponencial do número de conexões de geração distribuída no Brasil. Com participação percentual de 5,6% no Produto Interno Bruto, a construção civil tem tudo para representar esse papel. Ao construir casas e condomínios já equipados com sistemas de microgeração solar, o consumidor consegue o acesso direto à modalidade, já comprando uma habitação com um item que remete à sustentabilidade. A fonte tem sido vista como ferramenta que as construtoras poderão usar para dar mais competitividade aos seus produtos.

Um primeiro passo já foi dado por um dos maiores players brasileiros da construção de unidades habitacionais. A MRV anunciou recentemente que até 2022 vai entregar 200 mil unidades do programa habitacional Minha Casa Minha Vida com conexões para GD, demandando investimentos de R$ 800 milhões. Em 2017, serão 17 mil unidades, que vão custar R$ 60 milhões. De acordo com Rafael Menin, CEO da MRV, a construtora – que é líder no segmento na América Latina, com a entrega de 40 mil unidades por ano – já há algum tempo vinha buscando produtos mais sustentáveis, querendo ir além da produção de habitações populares e se relacionar cada vez melhor com os stakeholders. Foi aí que entrou a geração distribuída. “A célula fotovoltaica vem a calhar, é uma tecnologia que vem ganhando velocidade. Os custos caíram bastante e a MRV entendeu que ela deveria ser pioneira”, explica.

Menin acredita que a movimentação pioneira da construtora vai gerar um efeito indutor no mercado, com as concorrentes também equipando seus lançamentos já com os sistemas de GD. “O mercado nos acompanhará, essa é a nossa intenção”, avisa. Em um primeiro momento, os sistemas serão instalados apenas para as áreas comuns dos condomínios, mas a ideia é que no futuro todos os empreendimentos construídos tenham placas fotovoltaicas gerando energia para ser injetada na rede de distribuição. Em dezembro do ano passado, a MRV entregou o Spazio Solar do Parque, em Salvador (BA), com 360 apartamentos divididos em três torres. Segundo a empresa, a previsão é que em um ano o sistema gere cerca de 83 mil kWh, montante suficiente para fazer a compensação do consumo das áreas comuns.

O setor de construção vem acompanhando de perto já há algum tempo a geração distribuída. A Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil já produziu duas publicações sobre o tema nos últimos dois anos, em que explica como viabilizá-la nos empreendimentos. Nilson Sartis, coordenador da Comissão de Meio Ambiente da CBIC, conta que ela também chegou a enviar contribuições para a consulta pública que a Agência Nacional de Energia Elétrica fez para revisitar a GD e que acabou permitindo que condomínios pudessem ser contemplados na geração distribuída.

Para Sartis, o aumento nos custos com energia que no longo prazo, aliado a queda nos preços dos componentes, vai acabar transformando o sistema de compensação de energia na melhor opção para o consumidor. “Vai ter uma grande revolução nessa área. Estamos empenhados em difundir isso perante a indústria da construção”, promete.

Traçando uma grande sinergia entre a construção civil e a fonte solar, a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica vê na instalação dos sistemas ainda na fase de construção de casas e edifícios o reconhecimento de que a modalidade merece o investimento e que ele é capaz de se pagar com o tempo. Rodrigo Sauaia, presidente executivo da Absolar, define também que a GD traz um novo posicionamento para os empreendimentos. Eles deixam de ser construções passivas e consumidoras de energia para se tornarem ativas e geradoras de energia. “O empoderamento do consumidor muitas vezes na prática vem através das construções, porque se por um lado elas são responsáveis por parte significativa do consumo da sociedade, elas passam a ser também estratégicas para energia renovável”, salienta.

A associação já vinha detectando o interesse das construtoras em investir na geração distribuída. Desde o ano passado, ela tem se dedicado a expandir seu círculo para além do setor elétrico de modo a apresentar a fonte para setores que tem alto potencial sinérgico com a tecnologia de GD. Sauaia conta que nota o setor realizando eventos, palestras e workshops abordando o assunto, estimulando a incorporação de tecnologia nas edificações que vão ser construídas. “Eles de certa forma estão acordando para o tema. A construção civil pode ser uma grande disseminadora da energia solar fotovoltaica”, anima-se Sauaia.

Um condomínio com placas fotovoltaicas consegue ao mesmo tempo ter valor agregado e um serviço adicional, o que acaba por valorizar o imóvel. A prática da sustentabilidade torna um lançamento imobiliário mais competitivo em um mercado que vive ao sabor das marés econômicas. Um aumento nos custos dos projetos causado pela instalação de placas deve ser tratado como investimento. O movimento deve ser similar ao da indústria automobilística, que produz carros com vários apetrechos e funcionalidades. “A indústria da construção tem uma dificuldade imensa nisso. De tentar traduzir isso não como um custo, mas em um benefício final”, frisa Sartis, da CBIC.

Os números anunciados pela MRV são significativos em vista o que há hoje de conexões. Embora o crescimento seja contínuo, as 17 mil unidades prometidas para 2017 já são muito mais que as atuais 12.785 conectadas ao sistema até aqui. O Brasil país ainda está longe de países como a Alemanha, que ultrapassaram a casa do milhão de unidades com GD ou mesmo no estado da Califórnia, nos Estados Unidos, que, com 650 mil unidades, o imóvel sem o seu teto solar para GD tem dificuldade para ser alugado ou vendido. A decisão da MRV de instalar em larga escala sistemas fotovoltaicos em habitações do programa Minha Casa Minha Vida também acaba por tirar da GD a pecha de ser algo que só está ao alcance das elites, devido ao seu custo. Com a escala, a construtora consegue diluir os custos da implantação do sistema.

Sem uma deliberação efetiva de governos para que programas de habitações populares federais ou estaduais construam moradias com os sistemas, o estado de Goiás largou na frente e no último sábado, 24 de junho, entregou 149 casas na cidade de Pirenópolis com placas fotovoltaicas para GD. Até o fim do ano, serão mais 1.200 unidades com o sistema espalhadas pelas cidades de Alto Paraíso, Caçu e Palmeiras de Goiás. As casas fazem parte do programa Casa Solar da Agência Goiana de Habitação, que está inserido no Goiás Solar, projeto da Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos que elabora Políticas Públicas e adoção de medidas para o desenvolvimento da energia solar no estado.

As moradias são destinadas a famílias com renda de até três salários mínimos e a implantação do sistema é paga pelo Cheque Mais Moradia, modalidade Melhoria, no valor de R$ 3 mil por unidade. O cheque é uma espécie de crédito de ICMS usado para fortalecer a economia do estado. De acordo com Marcel Silveira, diretor técnico da Agehab-GO, foram convocadas empresas do segmento, que apresentaram aos moradores as suas propostas. Em assembleia, foi escolhida a de menor custo, que fez a implantação. O diferencial no Casa Solar é que a instalação e a manutenção serão feitas pelos próprios moradores das casas, que receberam capacitação para tal. A iniciativa goiana tem sido bem avaliada por outros estados, que também já preparam inciativas similares.

Silveira acredita que o projeto vai possibilitar um crescimento expressivo de unidades com GD no estado, que até o fim de junho está em 209, de acordo com dados da Aneel. Segundo o diretor da Agehab, o grau de conhecimento dos moradores sobre o sistema era muito baixo, o que acabou também por levar ao ensino do consumo consciente de energia, além de outros padrões de sustentabilidade. “Não é porque está gerando que vai gastar energia”, adverte. O sistema da unidade habitacional goiana atua de modo híbrido, servindo como aquecedor de água para o banheiro e gerador de energia fotovoltaica.

O ‘efeito MRV’ também vai acabar gerando uma alta demanda na contratação de empresas instaladoras de sistemas fotovoltaicos. Para Carlos Evangelista, presidente da Associação Brasileira de Geração Distribuída, apesar da qualificação da mão de obra ser um tema que fala alto ao setor, não há motivo para preocupação. A criação de um possível gargalo devido a demanda seria resolvida pelo mercado, já que as distribuidoras também sofreriam com a intensidade de pedidos de conexão. “Com certeza o mercado se adapta”, avisa ele. A adaptação a que ele se refere teria o auxilio do alto número de empresas de serviços que vem sendo criadas recentemente. A pujança financeira das construtoras também poderia fazer com que elas próprias criassem subsidiárias para instalação, embora fugisse do seu escopo.

A MRV ainda não escolheu os fornecedores dos equipamentos que serão instalados nos condomínios. A compra também deve impactar na cadeia de fornecedores solar, já que é um número significativo. As empresas instaladoras também terão mais um nicho de atuação, contribuindo para a criação de vagas de trabalho. “Sem dúvida vamos alimentar a cadeia produtiva”, comenta Menin. O setor deve passar por um momento de aprendizado sobre a tecnologia e a viabilidade econômica. “Eles estão fazendo as contas e avaliando qual a melhor maneira de colocar a tecnologia no seu business. Estão buscando o crédito adequado”, revela Sauaia, da Absolar.

Quem também viu com bons olhos a iniciativa da MRV foi a ABGD. O presidente da associação, Carlos Evangelista, lembra que outras construtoras já estão tomando essa iniciativa, em menor escala, seja em empreendimentos comerciais ou condomínios de casas, aproveitando as variações da resolução 687 da Aneel. “Ela divulgou bastante isso no mercado, para criar um diferencial e conseguir se diferenciar das outras distribuidoras que fazem construções para o mesmo perfil de público”, avalia. Evangelista tem sido procurado por empresas de construção interessadas em GD.
Outro aspecto que Evangelista considera positivo é que os demais players que ensaiavam inserir geração distribuída nos seus lançamentos vão acabar por fazê-lo. Ele também é mais um que gostaria que ações governamentais garantissem módulos em projetos habitacionais. “Os projetos poderiam ter também um ou dois módulos de GD, que o custo seria diluído na construção”, pondera. O presidente da associação alerta que embora o número de conexões residenciais seja importante, é a potência instalada em GD que vai mudar a matriz elétrica. Ele dá como exemplo o estado do Ceará, que embora não esteja entre os primeiros em conexões é o segundo em potência instalada.

Goiás negocia um ousado programa em parceria com o Ministério de Minas e Energia para que os cerca de R$ 2 bilhões gastos em tarifas subsidiadas de até 50 kw/mês em habitações de interesse social sejam gastos em geração distribuída, o que otimizaria o investimento. O governo estadual entraria com 20% dos recursos. A ideia é usar o residencial Nelson Mandela, em Goiânia, como piloto. “Poderia virar uma política nacional se der certo”, almeja Marcel Silveira, da Agehab-GO.

A baixa adesão em massa de construtoras à geração distribuída até aqui pode ser explicada pelo momento econômico de forte baixa que passa o mercado imobiliário, impactado pela crise econômica do país. O setor se encontra em uma transição e a tendência é que a próxima leva de lançamentos em um momento melhor já possa contemplar a GD. “Todos estão pensando em redução de custos e terminar os estoques que estão aí para não ter problemas”, explica Sartis, da CBIC.

Sarti coloca como maior entrave para a integração entre os setores a falta de um número elevado de fabricantes nacionais para dar conta da demanda. Porém ele se mostra otimista, acreditando em uma solução de mercado. Já Rodrigo Sauaia, da Absolar, vislumbra que as habitações populares podem se tornar um filão de mercado para os microinversores no lugar do inversor tradicional. Eles têm a instalação mais rápida e mais barata e se ajustam a esse tipo de projeto. Os microinversores estão conectados diretamente em um grupo pequeno de módulos e é um equipamento que pode ter vida útil de 25 anos, com a vantagem de dar maior flexibilidade construtiva ao projeto. “O Brasil ainda não tem fábrica de microinversores, existe uma oportunidade estratégica”, aponta o presidente da Absolar.

Outra inovação tecnológica que pode vir é a Building Integrated Photovoltaics. Essa tendência é a de integrar a energia fotovoltaica às construções. Seria ter o sistema como parte da edificação, substituindo materiais usados na construção. Em vez de construir um telhado e instalar sobre ele um sistema fotovoltaico, fazer do próprio sistema o telhado e projetar esse sistema para incorporar as funcionalidades de um telhado com o adicional de gerar energia. Essa tecnologia também pode ser usada em fachadas e janelas, trazendo economia na compra do material. A tecnologia tradicional é a Building Appliance Photovoltaics, que inclui o sistema sobre a edificação já existente.

A construtora pernambucana Conic, que atua na região Nordeste do país, tem se dedicado a inserir elementos sustentáveis nas suas construções. Reaproveitamento da água, vidros para economia de energia e tanques para água de ar condicionado são alguns dos itens. Felipe Cidrini, gerente de obras imobiliárias da Construtora, conta que ela já chegou a dar a opção aos compradores de condomínios fechados construir empreendimentos com GD, mas como aumentariam os custos, não houve interesse dos condôminos. Ele também culpa o momento de crise do setor pela negativa dos clientes, uma vez que eles querem ter um custo menor. Para ele, a GD também vai virar tendência de mercado no futuro.