WHAT'S NEW?
Loading...

Diretoria da Petrobras que ‘fura poço’ entra em disputa política


A principal diretoria da Petrobras, a de Exploração e Produção de petróleo, virou alvo de disputa política em Brasília. Houve quem defendesse a saída da atual diretora, Solange Guedes. A executiva tem perfil técnico. É considerada competente. Mas, avessa à entrada do capital privado no setor e ligada à gestão anterior, não conta com o apoio político nem a simpatia do mercado financeiro.

No meio das especulações sobre a permanência de Solange, cresceram os olhos de políticos no Congresso querendo indicar alguém para esse cargo na estatal. Essa diretoria que “fura poço” responde por 82% dos investimentos da estatal.

Solange é funcionária de carreira da estatal e virou diretora ainda na gestão de Graça Foster na Petrobras. Foi assistente do ex-diretor de E&P, Guilherme Estrella, ligado ao PT e de perfil estatizante.

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, chegou nesta última sexta-feira (7) ao Brasil depois de uma viagem à China. Mais de uma pessoa perguntou se procedem as especulações sobre a saída da diretora de Exploração e Produção de Petróleo da estatal. Parente disse: “Não existe essa conversa sobre saída da diretora. A regra de diretoria técnica na Petrobras continua mantida e está absolutamente válida“.

Resultado de imagem para Solange Guedes exploração petrobrasConjuntura explosiva: Leilões à vista

Estão previstas 3 rodadas de licitações de petróleo neste 2º semestre. Duas são no pré-sal. As negociações andam a todo vapor. Alguns investidores consideram a executiva Solange Guedes pouco flexível. Uma ala do governo defende maior participação privada no setor. Essa combinação de fatores produziu o ataque especulativo contra a diretora ontem (5ª).

Procurada pelo Notícias do Trecho, a diretora Solange Guedes não quis se manifestar sobre o assunto: “Nada a dizer”.

Perfil político desagrada

O cargo é valioso para as negociações fisiológicas. Só que a barganha política da função enfrenta resistência dentro da Petrobras, ainda mais depois da Lava Jato. Historicamente, a diretoria de E&P é ocupada por técnicos, dada a complexidade do setor.

Um dos nomes que chegaram a ser cogitados para substituir Solange Guedes foi o de Carlos Tadeu Fraga. Ele foi gerente executivo do Pré-sal, área mais nobre da empresa. O executivo não trabalha mais na Petrobras.


Por Fernando Rodrigues