WHAT'S NEW?
Loading...

Fabricante de maquinas destaca conectividade de soluções para construção

Resultado de imagem para Divisão de Construção da John Deere

A Divisão de Construção da John Deere participou da Semana das Tecnologias Integradas para Construção, Meio Ambiente e Equipamentos em São Paulo, SP, com o objetivo de fortalecer estrategicamente a posição da companhia no setor e apresentar as soluções integradas da John Deere.

O evento, que foi uma junção de várias feiras (BW Expo 2017, Construction Expo 2017, M&T Peças e Serviços 2017, e do Sobratema Summit 2017), funcionou como um catalisador de conteúdo e tecnologias para desenvolvimento nacional.

“A John Deere inova, não somente na parte da engenharia das máquinas, mas também em tecnologia, por meio de softwares e comunicação remota integrada. A empresa entrega análises de dados precisas, que impactam diretamente na funcionalidade da obra e trabalha para que os clientes conheçam e controlem seus equipamentos, muitas vezes à distância, otimizando a produção e diminuindo custos”, explica Roberto Marques, diretor de Vendas da divisão de Construção & Florestal da John Deere Brasil.

A empresa exibe na feira o JDLink, ferramenta que possibilita, por meio da telemetria, o monitoramento remoto da máquina, via laptops, tablets e smartphones.

A solução tecnológica fornece dados do equipamento e os distribuidores John Deere os transformam em informações valiosas para benefício do cliente em relação à produtividade, otimização e menor custo operacional diário.

O JDLink permite ainda que o distribuidor monitore as horas da máquina e envie alertas de manutenção preventiva, melhorando a logística do técnico e a parada programada do equipamento.

Após o recebimento destes dados, através do JDLink, a rede de Distribuidores pode também executar ações proativas de diagnóstico com a ferramenta Service AdvisorRemote, que permite uma interação técnica em tempo real com o equipamento de forma remota, ou seja, a primeira verificação antes de uma possível ida à campo é realizada do escritório.

“É possível ainda, por meio da ferramenta, atualizar o software de algumas controladoras eletrônicas do equipamento. Dessa forma, a probabilidade de acerto no diagnóstico aumenta, diminuindo o tempo de máquina parada e os custos envolvidos no reparo”, complementa Marques.

Resultado de imagem para Escavadeira 210G john deereA John Deere também apresenta na feira os novos pacotes de serviços, uma solução integrada de manutenção e monitoramento do seu equipamento desenvolvido com o intuito de aumentar a sua rentabilidade, maximizando a produtividade e reduzindo os seus custos operacionais diários.

Equipamentos

As máquinas da Linha Amarela utilizadas em construção se modernizam continuamente, afirma o executivo, o que viabiliza aumento da produtividade do cliente e facilidade para execução dos serviços.

Um exemplo é o novo modelo da retroescavadeira John Deere, 310L, máquina que ficará exposta no estande da John Deere.

A retroescavadeira atende à regulamentação de emissões MAR-I e tem novo motor, que oferece potência líquida de 86 hp, 8% superior ao modelo anterior, para assegurar produção ainda maior.

Dentre os principais destaques do produto estão os controles mais ergonômicos, que foram desenhados para fornecer mais conforto ao operador, e a alavanca de controle da carregadeira, que conta com um interruptor de neutralização da transmissão.

Ainda em questões relacionadas à produtividade da operação, o equipamento traz a exclusiva Transmissão Powershift como padrão, que proporciona mudanças de marchas rápidas e suaves e sua embreagem com aplicação multi-placas permite o engate instantâneo na tração dianteira (MFWD).

A John Deere também apresenta na feira a Escavadeira 210G, que oferece ciclos mais rápidos, precisão nos movimentos e força de escavação.

Os motores John Deere atuam em conjunto com o sistema hidráulico PowerWise III para que as máquinas entreguem os resultados esperados.

“Os três modos de operação permitem o ajuste para cada aplicação ao toque de um botão, assim, é possível conciliar aumento da produção e economia de combustível”, finaliza.