WHAT'S NEW?
Loading...

24 empresas devem anunciar investimentos em SP

Imagem relacionada

Mesmo com as turbulências na política nacional e a retração na economia, o Estado de São Paulo continua atraindo investimentos. Em 2017, no total, 37 empresas (em sua maioria estrangeiras) devem anunciar investimentos no Estado, segundo dados da Investe São Paulo, agência de atração de investimentos ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado. Desse total, 24 devem ser anunciados no segundo semestre.

De acordo com Álvaro Luiz Sávio, diretor da Investe São Paulo, ao contrário do que se poderia esperar, a procura por empresas interessadas em investir em São Paulo não caiu. “No ano passado foram anunciados 26 projetos de investimentos”, lembra o diretor. No primeiro semestre deste ano foram anunciados 13 projetos, totalizando R$ 1,86 bilhão e a geração de 5.517 empregos. Entre eles, os da Prysmian, SKF, BYD, SI Group e Qualcomm. Os 24 projetos previstos para ser anunciados no segundo semestre somam R$ 2,34 bilhões em investimento, com a geração de 3.915 empregos.

“Na verdade, no primeiro semestre já batemos a nossa meta de captação para o ano de 2017”, afirma Sávio. De acordo com o diretor, o portfólio da agência paulista conta hoje com 136 projetos, que devem ser divulgados ao longo dos próximos 12 ou 18 meses. Todos esses projetos, frisa o diretor, têm termo de confidencialidade e, portanto, só podem ser divulgados quando da entrada em operação.

Como explicar esse fato diante da crise político-econômica atual? “O fato é que as empresas estrangeiras têm planejamento e querem estar prontas para atender o mercado quando a economia se recuperar”, observa Regina Maria Silvério, gerente-geral da Investe São Paulo. “As empresas estrangeiras olham o longo prazo e aí o que importa é que São Paulo (e o Brasil) é um grande mercado, com uma cadeia produtiva industrial muito variada. O Estado de São Paulo abriga vários setores industriais, como o automotivo, a agroindústria, de saúde, máquinas, higiene, cosmético, eletroeletrônico..., e conta com toda a infraestrutura necessária de portos, aeroportos, rodovias, energia”.

Regina lembra ainda que, além de ser um grande mercado, o Brasil é visto por muitas empresas como plataforma para exportação para América Latina e muitos países da África.