WHAT'S NEW?
Loading...

Com reservas de gás, Urucu (AM) é abastecida por termelétrica a diesel

Resultado de imagem para Polo Petrolífero de Urucu

Com gigantescas reservas de gás sob a terra, os municípios de Carauari, Tefé e Coari, onde fica o Polo Petrolífero de Urucu, são abastecidos por usinas termelétricas movidas a diesel — fonte de energia mais suja e que só chega de barco à região.

— O desafio logístico é imenso. Essa é uma área fluvial, de rios que enchem em julho e chegam a outubro secos. A Amazônia é uma região muito sensível e os russos jamais se aventurariam nela se não tivessem evidências concretas de petróleo. O risco é calculado — diz o professor José Alberto da Costa Machado, especialista em desenvolvimento socioambiental e integrante do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia.

Chance de mudar a matriz energética

No ano passado, o Ministério Público do Amazonas foi obrigado a intervir para garantir regularidade no abastecimento de energia elétrica em Tefé, condenando também o derramamento de óleo em igarapés.

Para o Amazonas, o gás natural é a grande chance de mudar a matriz energética do estado. Machado observa, contudo, que transformar o petróleo e o gás em fontes reais de riqueza e desenvolvimento local ainda é um desafio.

— É como se tivessem colocado ali, no meio da floresta, um canudo gigante. Tiram o gás por ele, mas pouco muda na vida de quem mora no entorno — diz Machado, que participou da produção do Estudo de Impacto Ambiental do gasoduto Urucu-Manaus, concluído em 2008. — Pode ser até mais fácil cobrar de uma multinacional. Uma estatal é sempre vista com condescendência. A expectativa era que o gasoduto Urucu-Manaus levasse fibra óptica às comunidades ao longo do traçado. Isso nunca foi feito. Agora, quem está conectando a Amazônia é o Exército.

A Petrobras informou que a fibra óptica foi instalada nos dutos para monitoramento remoto das válvulas, mas que a conectividade dos municípios não é responsabilidade da empresa e não foi condicionante no Estudo de Impacto Ambiental aprovado pelas autoridades. O gasoduto da Petrobras passa por sete municípios, de Coari a Manaus. O óleo é levado em navios.