WHAT'S NEW?
Loading...

China lidera queda sem precedentes na produção asiática de petróleo


A produção de petróleo bruto na Ásia-Pacífico está caindo, de acordo com um relatório de Wood Mackenzie, com a China responsável por cerca de metade do declínio, afirmou Angus Roger, diretor de pesquisa da Wood Mac para a Ásia-Pacífico.

Em 2016, a região bombeou cerca de 7,5 milhões de barris por dia, mas deve cair para menos de 6,5 milhões de bpd até 2020, alertou Roger, observando que a produção da região caiu cerca de 7% ao ano desde o crash de preços de 2014.

O analista acrescentou que a maior parte da produção de petróleo na Ásia-Pacífico continuará vindo de grandes campos na China, Malásia e Indonésia, mas esses campos já estão maduros, o que está afetando os custos de produção e elevando os pontos de equilíbrio.

As conclusões do relatório são preocupantes para a China, que recentemente informou que sua dependência do petróleo importado se aprofundou, chegando a 64,4% da demanda doméstica em 2016. A razão dessa dependência foi, é claro, o preço mais baixo do petróleo, Superfields ', o que tornou sua produção não competitiva.

Ao mesmo tempo, a demanda deve crescer, e não apenas na China, mas também na Índia, que é cada vez mais vista como a nova potência econômica do mundo.

Enquanto a China tem que lidar com uma projeção de demanda de 12 milhões de bpd, de acordo com a gigante estatal do petróleo CNPC, e superfields , a Índia está à procura de novas reservas de petróleo em uma tentativa não apenas de garantir o fornecimento a longo prazo do combustível, como  para controlar sua própria dependência das importações de petróleo.

No ano passado, várias companhias de petróleo indianas investiram mais de US $ 3 bilhões na compra de participações em campos petrolíferos russos, incluindo o gigante campo Vankor, o segundo maior do país.

Recentemente, a Bloomberg informou que a maior refinadora da Índia, a Indian Oil Corp., está procurando oportunidades de aquisição de ativos em todo o mundo, com foco no Oriente Médio e na África, para garantir que pelo menos 1/10 do petróleo bruto processado provenha de campos que possui completa ou parcialmente.